A transmissão do HIV e outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) pode ocorrer de mãe para filho durante a gravidez, trabalho de parto ou no período de amamentação. Com o objetivo de alertar a população e os profissionais da saúde sobre a importância do controle e prevenção da transmissão vertical, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) conscientiza sobre o pré-natal como fonte de prevenção das principais infecções que acometem a sociedade.

É necessário que toda mulher grávida e seu parceiro façam os testes para o HIV, sífilis e hepatites virais B e C, é o que alerta Almir Santana, médico e técnico do Programa de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, HIV/Aids e hepatites virais da SES. “Uma forma de evitar a transmissão vertical é fazer o teste para detectar qualquer infecção durante o pré-natal e, quando o resultado for positivo [reagente], tratar corretamente a mulher e sua parceria sexual, a fim de evitar a transmissão”, orienta.

A prevenção da transmissão vertical requer uma abordagem abrangente que envolve o acesso universal ao pré-natal de qualidade, a realização de exames diagnósticos adequados, o tratamento oportuno e a conscientização das gestantes sobre práticas de saúde preventivas. Essas medidas são essenciais para garantir uma gestação saudável e o nascimento de bebês livres de doenças evitáveis.

Prevenção

De acordo com a técnica do Programa Estadual de HIV/Aids da SES, Jôse Noemia Calasans, quanto mais precocemente a infecção pelo HIV/Aids for diagnosticada e mais rápido houver vinculação a um serviço especializado de referência para acompanhamento do tratamento, melhor será o prognóstico da doença e menor será a chance de transmissão do vírus.

“A vinculação é definida com a primeira consulta no serviço de referência para prescrição de medicamentos após o diagnóstico de HIV. Assim, fica estabelecido a função da Atenção Primária à Saúde (APS),  diagnosticar, notificar e acompanhar a criança infectada, assim como verificar como é feita essa adesão medicamentosa”, explicou Jôse.

Cuidados na gestação

A transmissão vertical do HIV pode ser muito reduzida quando medidas preventivas são tomadas. A primeira delas é a realização do teste rápido para HIV em toda gestante, pois uma vez detectada a infecção, a realização do tratamento e a redução da carga viral, diminui o risco de transmissão. Durante o parto também é importante evitar o sofrimento fetal, evitando partos demorados, e utilizando antirretrovirais. Já no pós parto, deve ser inibida a lactação e oferecer alternativa para a alimentação das crianças (fórmula infantil que é distribuída pelo estado para os primeiros seis meses de vida).

Além disso, medidas simples de higiene e cuidado com a alimentação, como evitar o consumo de alimentos crus ou mal cozidos para prevenir a toxoplasmose, também são destacadas como parte importante do cuidado durante a gestação.

 

 

 

Fonte: Agência Estado  – SE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

  • BC eleva para US$ 500 mil limite cambial de instituições não bancárias

    A partir de 2 de setembro, as instituições financeiras não [...]

  • Projetos do Governo que reajustam salários e gratificações para profissionais da segurança pública são aprovados na Alese

    Em mais uma ação de valorização profissional dos servidores da [...]

  • Brasil apresenta proposta de aliança global contra a fome e a pobreza

    Integrantes do governo brasileiro participaram esta semana do Fórum Político [...]

  • Fake news contribuíram para queda das coberturas vacinais contra a poliomielite, afirma infectologista

    Desde 2016, o Brasil tem apresentado queda nas taxas de [...]

  • Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou, nesta quarta-feira [...]