Vacinação na Europa é insuficiente para proteger região, alerta OMS


Diretor europeu da organização pede que se evite erro do verão de 2020

O nível de vacinação na Europa é insuficiente para evitar o ressurgimento da pandemia, alertou o diretor europeu da Organização Mundial da Saúde (OMS), Hans Kluge, nesta quinta-feira (10). Ele pediu que se evite o “erro” do aumento de casos durante o verão de 2020.

“A cobertura da vacinação está longe de ser suficiente para proteger a região de um ressurgimento”, advertiu o diretor europeu da OMS, Hans Kluge, em entrevista coletiva online.

“O caminho a percorrer para alcançar uma cobertura de pelo menos 80% da população adulta ainda é considerável”, disse ele, pedindo a manutenção da higiene, das medidas de distanciamento e evitando viagens ao exterior.

Nos 53 territórios da região europeia, e de acordo com os critérios da OMS, 30% da população da região receberam a primeira dose da vacina e 17% estão totalmente vacinados.

A situação na Europa melhorou com a queda nos casos e mortes nos últimos dois meses e alguma flexibilização das restrições. “Mas ainda “estamos longe de deixar de estar em perigo”, afirmou.

Pela primeira vez desde o outono de 2020, o número de mortes semanais na área europeia caiu para menos de 10 mil na semana passada.

“No verão passado, os casos aumentaram nas faixas etárias mais jovens e depois mudaram para as faixas etárias mais velhas, contribuindo para um ressurgimento devastador, os bloqueios e mortes no outono e no inverno ”, lembrou o médico belga. “Não vamos cometer esse erro de novo”, disse ele.

A OMS reiterou sua preocupação com a circulação de novas variantes, como a Delta detectada inicialmente na Índia. Mais contagiosa, suspeita-se que seja mais resistente, mesmo após a primeira dose da vacina.

Essa variante Delta “partiu para se estabelecer” na Europa, enquanto “muitas pessoas com mais de 60 anos permanecem desprotegidas”, disse Kluge.

 

RTP

Previous Ministério autoriza mais leitos de suporte pulmonar para os estados
Next Trabalho infantil no mundo aumenta pela primeira vez em 20 anos