Hospital de Olhos Santa Luzia tem espaço específico para atendimento pacientes com necessidades especiais


Quem tem filhos ou uma criança querida sabe da importância de se ter cuidado e carinho com os pequenos. Foi pensando nisso que o Hospital de Olhos Santa Luzia criou o Departamento de Oftalmopediatria, um andar dedicado ao atendimento de pacientes com idade entre zero e 14 anos. Nessa faixa etária os cuidados com os olhos são fundamentais para permitir o desenvolvimento adequado e saudável da visão. “Segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmopediatria, cerca de 20% das crianças em idade escolar podem apresentar algum problema de visão, especialmente miopia, hipermetropia, e astigmatismo”, alerta a oftalmologista Paula Siqueira.

O Departamento de Oftalmopediatria dispõe de profissionais especializados no atendimento infantil e oferece um ambiente acolhedor apropriado, com equipamentos oftalmológicos específicos para melhor atender crianças de diversas idades e necessidades. Alguns desses equipamentos são portáteis e de maior facilidade de aceitação pelas crianças, permitindo melhores resultados durante o exame médico.

“Os cuidados com a visão começam com o Teste do Olhinho logo após o nascimento e devem ser mantidos periodicamente. É importante lembrar que, dependendo da faixa etária, a criança não consegue expressar os problemas. Então o acompanhamento é fundamental”, orienta a oftalmologista Katherine Sales.

Os atendimentos realizados no Departamento de Oftalmopediatria são feitos de forma lúdica, envolvendo a criança em todas as etapas do exame, permitindo que ela se sinta muito à vontade, tranquila e colaborativa durante toda a avaliação. “Todo esse cuidado é necessário, pois a primeira infância, até os sete anos, é a fase mais importante no desenvolvimento da visão. De zero até os dois anos é a fase crítica, que merece mais atenção”, completa a oftalmologista Maria Amélia Ribeiro.

Algumas das doenças que podem acometer as crianças são: ametropias (miopia, hipermetropia e astigmatismo), ambliopia, estrabismo, catarata e glaucoma congênito ou infantil. O uso de telas, principalmente celulares e tablets, tem sido apontado pelos especialistas como um importante fator para o desenvolvimento da miopia entre os mais jovens, assim como surgimento de desvios oculares. “Por isso a orientação é passar no máximo uma a duas horas por dia nesses aparelhos eletrônicos, preferencialmente não contínua, e pelo menos duas horas em ambiente externo com luz do dia, evitando o uso em menores de dois anos de idade”, destaca a oftalmologista Patrícia Rêgo.

O atraso no diagnóstico e consequentemente no tratamento de problemas visuais nas crianças pode ocasionar a ambliopia. “Ambliopia é o famoso olho preguiçoso, que não conseguiu atingir a visão adequada para a idade, e necessitará do tratamento com tampão ocular e estimulação visual para que se alcance uma visão final normal”, finaliza oftalmologista Milena Barata.

Previous Cantor Gusttavinho Sobral vai fazer participação especial em Live
Next Pfizer testará vacina em grupo de crianças com menos de 12 anos