Secretaria de Estado da Saúde continua campanha de estímulo à doação de leite humano


Leite materno é o principal alimento na fase inicial do desenvolvimento infantil, porém, muitas mulheres acabam não tendo a capacidade de gerá-lo

 

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) gerencia o Banco de Leite Humano Marly Sarney, unidade que é referência estadual em aleitamento materno. O mês de maio está sendo dedicado à conscientização da importância da doação de leite e do voluntariado de mulheres à essa causa.  O leite doado ao Banco de Leite é destinado, por exemplo, para crianças prematuras  que se encontram nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) da  Maternidade Nossa Senhora de Lourdes.

“O leite doado é pasteurizado e dado aos bebês que estão nas UTIN, já que existem duas substâncias que não podem ser encontradas em nenhum leite artificial: enzimas e anticorpos”, observou Magda Dórea, gerente do Banco de Leite Humano Marly Sarney. Ela informou que um litro de leite materno doado pode alimentar até 10 recém-nascidos por dia.

A profissional destaca que o leite materno é o principal alimento na fase inicial do desenvolvimento infantil, porém, muitas mulheres acabam não tendo a capacidade de gerá-lo. Por isso, a doação de leite humano é essencial, é uma atitude que ajuda a salvar a vidas de muitos bebês. “Dependendo do peso do prematuro, 1 ml já é o suficiente para nutri-lo cada vez que ele for alimentado. Doar leite humano é um gesto que salva vidas. O alimento é importante para todos os bebês, principalmente para os que estão internados e não podem ser amamentados pela própria mãe”, reforça Magda.

Em tempo de pandemia, a interessada em se tornar uma doadora de leite humano, basta ligar  para o banco de leite. Será realizada uma entrevista para preenchimento de um formulário e, os resultados dos exames que são necessários, podem ser encaminhados utilizando o aplicativo de mensagens WhatsApp. “Essa mãe doadora é colocada em uma rota. A equipe de enfermagem do Banco de Leite vai na casa dela entregar  um kit contendo frasco, gorro, máscara e panfleto de orientações. A doadora é também incluída no grupo do WhatsApp”, explica a gerente.

A enfermeira da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, Gloria Barros, explica que o aleitamento materno também é importante para a  saúde da mulher. “A mulher que amamenta corre menos risco de desenvolver um câncer de mama”, atenta.  Além disso, o ato de amamentar promove a questão do vínculo da mãe com o bebê.

A gerente da UTI Neonatal, Monique Cabral, explica que na maternidade, a metodologia Canguru potencializa os vínculos entre mães e recém-nascidos. Ela reitera os benefícios da amamentação nos primeiros anos de vida da criança e relembra que  “de acordo com Ministério da Saúde, os bebês alimentados apenas com o leite materno, tendem a se recuperar de doenças com mais facilidade. “O leite materno é o alimento que fornece nutrientes importantes para o desenvolvimento cerebral, que combate infecções, protege a criança contra bactérias e vírus, e evita diarreias”, observou Monique.

Sobre a doação

A mãe doadora deve estar livre de sífilis, HIV, Hepatite e, nesse momento, COVID. É fundamental não ter qualquer síndrome gripal. O leite doado por ela, passa por um processo de análise de cheiro, cor, impurezas, processo de pasteurização e bioquímica, onde é classificado. Logo após é congelado e pode durar até seis meses no estoque.

Quem deseja ser doadora do Banco de Leite Humano Marly Sarney, o telefone para contato é (79) 3226-6301. O atendimento é realizado de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h. Quem preferir comparecer presencialmente, o endereço é Rua Mato Grosso, s/n. Bairro José Conrado de Araújo, em Aracaju (SE).

Previous Sergipe conquista 36º título estadual
Next Hoje é comemorado o Dia Nacional do Milho