Uma em cada três mulheres sofre violência física ou sexual


Quase uma em cada três mulheres em todo o mundo é submetida à violência física ou sexual durante sua vida, comportamento criminoso generalizado que aumentou durante a pandemia, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A agência da ONU exortou os governos a prevenir a violência, melhorar os serviços para as vítimas e combater as desigualdades econômicas que muitas vezes deixam mulheres e meninas presas em relacionamentos abusivos.

Os meninos devem ser ensinados na escola sobre a necessidade de respeito mútuo nos relacionamentos e consentimento mútuo no sexo, disseram funcionários da OMS.

“A violência contra as mulheres é endêmica em todos os países e culturas, causando danos a milhões de mulheres e suas famílias, e foi agravada pela pandemia COVID-19”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Cerca de 31% das mulheres de 15 a 49 anos, ou até 852 milhões de mulheres, sofreram violência física ou sexual, disse a OMS no que chamou de o maior estudo já realizado, abrangendo dados e pesquisas nacionais de 2000-2018.

Um marido ou parceiro íntimo é o perpetrador mais comum e um número desproporcional de vítimas está nos países mais pobres, disse tmsnrt.rs/3t5OO78 . Os números reais são provavelmente muito mais elevados devido à subnotificação de abusos sexuais, um crime altamente estigmatizado.

“Esses números são muito chocantes e realmente são uma espécie de alerta para que os governos façam muito mais para prevenir essa violência”, disse a autora do relatório, Claudia Garcia-Moreno.

Em algumas regiões, mais da metade das mulheres enfrentam violência em algum momento, disse ela à Reuters, citando Oceania, África Subsaariana e sul da Ásia.

Os países com maior prevalência incluem Kiribati, Fiji, Papua Nova Guiné, Bangladesh, República Democrática do Congo e Afeganistão, mostram dados da OMS.

As taxas mais baixas são na Europa, até 23%, ao longo da vida.

A violência começa em uma idade “assustadoramente jovem”, disse a OMS.

Uma em cada quatro meninas adolescentes de 15 a 19 anos que tiveram um relacionamento foi submetida a violência física ou sexual, disse Garcia-Moreno.

“Este é um momento muito importante e formativo da vida. E sabemos que os impactos desta violência podem ser duradouros e podem afetar a saúde física e mental e levar a gravidezes indesejadas e outras complicações ”, disse ela.

 

 

 

Reuters

Previous ExxonMobil planeja iniciar perfuração em Sergipe neste semestre
Next Covid-19: medidas de biossegurança devem ser mantidas mesmo após a imunização em Aracaju