Lei Aldir Blanc: Professor Bittencourt parabeniza Funcaju pela gestão da lei na capital


Por David Rodrigues, Assessoria Parlamentar

Na manhã desta terça-feira, 23, durante a 9ª Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Aracaju (CMA), realizada de modo virtual, o vereador Professor Bittencourt (PCdoB) utilizou parte do Grande Expediente para parabenizar o trabalho do presidente da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), Luciano Correia, pela gestão da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc em Aracaju, que estimulou a cadeia produtiva da cultura afetada pela pandemia do novo coronavírus, além de permitir a circulação da produção artística aracajuana entre vários bairros da capital.

Em seu discurso, o parlamentar expressou a sua satisfação pelo conjunto de ações desenvolvido pela fundação. “Foram quase mil projetos apresentados. Não houve devolução de recursos da lei Audir Blanc, um volume expressivo de cidades Brasil afora devolveram recursos. A Fundação Cultural Cidade de Aracaju, com toda a sua equipe conduzida pelo querido Luciano Correia, conseguiu dar conta de executar um volume expressivo de projetos. A condução da lei acabou virando uma referência para outras cidades brasileiras, que no decorrer do processo de prestação de contas e execução do trabalho, remeteram diversas vezes para a nossa cidade, em especial a fundação, no sentido de que pudessem auxiliar tecnicamente na execução da lei”, pontuou.

“Outro ponto que merece destaque é que a fundação também fez um processo seletivo para pareceristas. Concorreram pessoas de todo o Brasil, técnicos com conhecimento e certificado na área, para que pudessem ser pareceristas dos diversos projetos, o que reafirma a transparência e a seriedade do processo”, destacou o parlamentar.

Ainda durante o discurso, o vereador destacou o projeto “Festival Colora”, onde alguns artistas estão transformando pontos da cidade em uma verdadeira galeria a céu aberto. “Esse projeto de colorir a cidade de Aracaju, que esses artistas talentosíssimos estão fazendo, me deixa muito feliz, porque também quando fui secretário de educação uma das atividades que nós fizemos foi colocar a arte na escola. Por isso, gostaria de parabenizar o Luciano pela seriedade na gestão desses recursos, não deixar que os mesmos retornem sem que tenham sido utilizados. E também, pela diversidade enorme de projetos que foram apresentados na área de música, artes plásticas, artes cênicas, trabalhos nesse universo de promoção da igualdade racial, uma diversidade enorme”.

A Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc surgiu com o objetivo de auxiliar os trabalhadores da cultura e os espaços culturais brasileiros no período de isolamento social, ocasionado pela pandemia da Covid-19. O município de Aracaju recebeu cerca de R$ 4.680.135,30 para serem distribuídos entre agentes, artistas, iniciativas, produções e espaços culturais de diversos segmentos da cultura, através de editais ao setor cultural.

“A Funcaju produziu um belo relatório disso e eu acho que é fundamental, além de tudo, surge como um processo de construção do congresso nacional brasileiro para que nesse período de pandemia o universo artístico, que foi um dos mais castigados pela drástica diminuição das suas atividades profissionais, a lei Audir Blanc da cidade de Aracaju cumpriu muito bem esse papel com seriedade e transparência. Parabenizo enormemente o prefeito Edvaldo Nogueira, a Funcaju, os seus diretores e, em especial, Luciano Correia pela gestão da lei Audir Blanc”, finalizou o parlamentar.

Previous Davi Alcolumbre assume a CCJ do Senado
Next Carmópolis sentirá o efeito Petrobras?