Nathalie Fontes: Tendências e negócios pós-pandemia


São nítidas as diversas mudanças que o novo coronavírus trouxe para os negócios. Se já estávamos vivenciando grandes mudanças agora, mesmo que forçados, tivemos que acelerar algumas tendências de consumo.

Segundo Luis Rasquilha, CEO da Inova Consulting & Inova Business School, quando acontecem grandes fenômenos nunca o ser humano voltará como antes e, quando o fenômeno acaba as pessoas levam ainda de 3 a 6 meses para acreditar que tudo passou.

O novo cenário trouxe realidades de home office, videoconferências, crianças com aulas online mas o que permanecerá pós pandemia? O que podemos esperar quando tudo passar?

Conforme mapeamento de tendências da Inova Consulting & Inova Business School, as mudanças que vieram para ficar são:

1 – Veículos e mídia digital – A informação continuará sendo primordial, a tendência é que mais pessoas busquem informação e que aconteça um aumento na criação de conteúdo em mídia digital.

2 – Tecnologia – Existe uma grande revolução tecnológica porém, conforme conversamos no tema da semana passada sobre “transformação digital” a tecnologia vem a serviço da comunicação e dos negócios.

3 – Modelo de trabalho e comunicação – Muitas pessoas já perceberam que conseguem realizar reuniões da sua casa, o home office despertou uma vontade de trabalhar e ficar ainda mais tempo com a família. Essa comunicação também irá mudar, surge um olhar de empatia e de servir ao próximo compartilhando seus conhecimentos em diversas mídias.

4 – Aulas online e educação dos filhos – Com a experiência durante as aulas online, alguns pais irão participar muito mais da vida educacional dos filhos. A proximidade terá grande impacto para a geração alpha (nascidos a partir de 2010), essa geração é mais inteligente e acelerada tanto no aprendizado como na execução das tarefas, com o auxílio dos pais conseguirá atingir o seu máximo potencial.

Empresas tradicionais não têm garantia de sobrevivência pós-pandemia e precisam se reinventar com urgência. O CEO Luis Rasquilha, citou alguns setores que estarão em desvantagens e outros com previsão de crescimento.

DESVANTAGENS – Automóvel, combustível, construção, negócios imobiliários, petróleo e turismo.

TENDÊNCIA DE CRESCIMENTO – Agricultura, bem-estar, e-commerce, EAD – Educação à distância, energia, entretenimento digital, logística, saúde e medicina.

Quando falamos de tendência, estamos falando sobre a nova linha comportamental do consumidor. Porque tudo acaba gerando novos valores e hábitos. Para as empresas esse é o momento crucial onde as marcas necessitam garantir presença e fidelizar seus clientes.

O Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo – Ibevar, apresentou tendências que devem impactar no comportamento do consumidor:

– Movimento “Faça você mesmo” e circuito de consumo local – O consumidor será incentivado a fazer seus próprios produtos, a mídia deverá apresentar essa visão de pessoalidade dos produtos. Esse conceito torna-se mais forte à medida que as pessoas continuam em confinamentos devido a Covid-19. O consumo local também será levado em conta para fortalecer o comércio da região.

– Slowlife e o consumo crítico – O movimento do slowlife é desacelerar, chama-se Vida Lenta, onde você irá alterar o seu ritmo de vida e eliminar o que não é essencial. Dessa maneira, alguns consumidores irão repensar suas necessidades de compra e consumir produtos de maneira mais crítica.

O importante é mapear as tendências, adaptar ao seu negócio, marcar presença digital e garantir que o cliente esteja, mais do que nunca, no centro das atenções.

Previous CRÔNICA - Shirley Vidal "As escolhas fazem você"
Next Padre Marcelo Conceição recebe alta no Hospital Primavera