Áudio atribuído a um ex-prefeito de Aracaju diz que ex-senador “come” Ministra


Com relação à ilação desse canalha, certamente esse canalha irá responder nos canais competentes, na hora certa” – Magno Malta

Já circula por toda Aracaju as gravações feitas por um ex-prefeito, em que comenta, de forma galhofeira, com um interlocutor identificado, informações de foro íntimo, envolvendo pessoas importantes da república: um ex-senador e uma ministra.

O comportamento pessoal, a vida particular das pessoas não interessa a ninguém. Agora, quando vem ao lume uma declaração dessas, assim, em linguagem de caserna, vinda de uma pessoa de destaque na sociedade, claro que causa impacto e deve gerar repercussões.

Além de outros pontos de vista, notadamente em defesa de Lula e do STF, esse homem, conhecedor das ciências jurídicas, dignitário, ao longo de décadas, de altos cargos públicos em Sergipe, pode estar agora às voltas com dificuldades para se explicar perante esperadas ações dos ofendidos, caso um deles, ou os dois se ofendam.

Porque existe diferença filosófica, segundo Lou Marinoff, filósofo canadense, entre agressão e ofensa, mas não se sabe se ocorre o mesmo nas ciências jurídicas. Para a Filosofia, se a pessoa não se sente ofendida, então não há ofensa. Ou seja, é diferente de agressão.

A gravação tornou-se de domínio público, porque foi disseminada pela capilaridade da plataforma WhatsApp, chegando até a redação deste jornal, ontem, por volta das 18:30, momento em que o editor passou a avaliar se valeria a pena publicar na mídia responsável, ou seria chocante para a sociedade. Optou pela liberdade de expressão.

Esse pequeno trecho da gravação esclarece muita coisa, como segue, na fala que se revela do ex-prefeito: “Magno Malta, né, você conhece, passei um ano e meio em Brasília, e meu gabinete era ali, ele…a grande obra na vida de Magno Malta, vou lhe dizer, foi indicar a secretária da ação social de Bolsonaro – aquela mulher que namorava com Deus na goiabeira, que diz que vai prender os governadores do Nordeste risos pqp… É a grande obra de Magno Malta, foi ele quem indicou ela… Ele come ela, aliás, ou ela come ele, mais risos, não sei, mas foi a grande obra, um frustrado, um fdp…”

Manifestação do Brasil200 – Coordenador do Instituto Brasil200, o comunicador e empresário Lúcio Flavio Rocha assim se expressou, ao ouvir a gravação: “O trecho do áudio que circula nos grupos de WhatsApp de Sergipe, creditado a um ex-prefeito de Aracaju, e ex-nomeado presidente de uma grande empresa pública do Estado, um senhor de idade que se autodeclara “de esquerda, mas que não apoia o PT”, ofende a honra de uma mulher, de uma Ministra de Estado, a Sra. Damares Alves, e do ex-Senador da República Magno Malta. O ódio e a sordidez que transbordam nos risos e chacotas do áudio em questão, demonstram o perigo que é a mente das pessoas alinhadas a este espectro ideológico, que se delicia e se satisfaz do prazer de destruir reputações com mentiras e ofensas sem nenhum pudor. Vejam o perigo de mentes como estas estarem no comando de instituições públicas. O pior: ele não é o único, ou exceção na turma do “ódio do bem”. Chovem exemplos assim. A revelação destes áudios, que faz também uma chacota à inviolável fé cristã, me lembra algumas lições da Bíblia. A primeira é que não há nada que esteja oculto, que não seja um dia revelado. E a outra é a que nos ensina quem é o pai da mentira: o diabo. Que a devida reparação aconteça rapidamente, nos moldes da lei” finalizou Lúcio Flávio.

Desabafo de Magno Malta – Já o ex-senador enviou sua indignação ao comunicador Lúcio Flávio Rocha, do Brasil200, com as seguintes considerações: “Meu amigo Lúcio Flávio parabéns pelo trabalho que vem fazendo, parabéns ao povo sergipano onde eu tenho grande e queridos amigos, Pastor Antônio, Pastor Figueiredo, Pastor Josias, meu amigo Pastor Ari, sabe, grandes amigos que eu tenho aí, em Sergipe, eu abraço você pelo trabalho que faz, muito obrigado por ser um brasileiro, que luta pelo Brasil. Agora, com relação a esse idiota, né, esse canalha que faz ilação com meu nome, com o nome da doutora Damares, nem merece qualquer tipo de respeito, ele precisa é lavar a boca, a doutora Damares é uma militante da vida, uma mãe de família, uma pessoa honrada, que vem apanhando por defender o Brasil, por defender a vida, por defender valores, sabe, ela foi minha assessora por 7 anos, o Brasil a conhece e conhece a mim, a minha luta contra essa esquerda desgraçada, esse PT desgraçado, esses assaltantes que roubaram o Brasil… Com relação à ilação desse canalha, certamente esse canalha irá responder nos canais competentes, na hora certa, porque nós tomaremos providências com relação a ele, assim, eu o chamo de vagabundo, vagabundo, isso é cobra mandada, pau mandado, ele tá a serviço dessa esquerda desgraçada, agora a gente que tá no front, numa guerra pra salvar esse país, cantando o Hino Nacional, manter esse país longe da ditadura do Supremo Tribunal Fedeeral, certamente vai tomar tiro desses vagabundos que se escondem, atiram de longe como se a gente não soubesse quem é, mas também tomaremos nossas providências, meu amigo, Deus abençoe você, Deus abençoe o povo de Sergipe, esse povo querido por quem tenho muito amor e muito carinho, o nosso querido senador Eduardo Amorim que foi um guerreiro, o Brasil perdeu por não tê-lo de volta a aqui, porque foi um grande senador, um grande homem, um homem decente… são militantes da vida e eu deixo o meu abraço também a Laurinho, Pastor Josias e Pastor Figueiredo que estudaram comigo, beijo no coração”, concluiu.

Previous País tem mais de 500 mil recuperados e 48.954 mortes em função da covid-19
Next Retomada de atividades: Ministério da Saúde divulga orientações