Maraísa, a Dama do Forró, comemora 5 anos de sucesso


A cantora Maraísa Figueiredo, conhecida como ‘A Dama do Forró’ está comemorando 5 anos de sucesso em uma carreira ascendente. Ela é sergipana de Aracaju e desde pequena tinha o sonho de ser cantora e, quando cresceu, correu atrás dos seus objetivos e conquistou seu espaço no cenário musical de Sergipe. O hit “Na balada com as amigas” estourou há dois anos e consagrou a artista que também se destaca com seu carisma, repertório eclético e forró das antigas.

Maraísa concedeu uma entrevista ao Olho Vivo e você confere na íntegra:
OV – Como começou a sua carreira?
MF
– Desde pequena, tenho o sonho de ser cantora e sempre fiz muitos shows para minha família e já mostrava uma paixão platônica pela música. Cantava também na escola e amava me apresentar com meus amigos. Depois de mais madura, de ter casado e me formado, decidi junto com meu marido Alex investir profissionalmente na carreira musical e realizar esse sonho de criança.

OV -Quando você descobriu o dom de cantar?
MF –
Quando pequena, já tinha veia artística e minha mãe Vera sempre falava… “essa menina vai ser cantora”… Minha família dizia para minha mãe levar a sério sobre a música e então me matriculou em aulas de canto, mas na minha infância não exista programas de competições musicais como se vê hoje.

OV -Como é ter o marido sempre por perto fazendo parte da banda também?
MF –
Eu só tenho a agradecer a Deus todos os dias por ter colocado em meu caminho uma pessoa como ele (já se vão 21 anos juntos), pela pessoa de bom coração que é e por embarcar e me apoiar nas minhas ideias, muitas das vezes, meio loucas. Estar por perto para me apoiar e me colocar pra cima sempre. É meu parceiro de todas as horas e respeita minhas decisões, o que é importante para ambos.

OV -De onde surgiu a marca ‘A Dama do Forró’?
MF –
Eu sou uma pessoa muito organizada e assim que desenhamos o projeto de carreira musical profissional, sentimos a necessidade de criar uma marca para deixar registrada para que os meus seguidores e simpatizantes fixassem bem o meu nome artístico e pensei em algo simples, porém forte e então criei “Maraisa A Dama do Forró”, que é registrada no INPI (onde são feitos os registros de marcas e patentes) para ninguém copiar.

OV -Quais são os maiores sucessos da sua carreira?
MF –
Com certeza, as minhas músicas de trabalho “Na Balada com as Amigas”, composição que ganhei de um amigo e músico querido chamado Robert Mcknight e “Você me Perdeu”, composição de um amigo e também cantor, Dinho Oliveira, lançada recentemente.

OV – Qual música não pode faltar?
MF –
Sem sombra de dúvidas, as de sofrência e todas de forró das antigas, em especial, “De Janeiro a Janeiro” de Limão com Mel, “Estrelinha do Céu” de Cavalo de Pau, “Verdadeiro Amor” de Magníficos e “Barreiras” de Mastruz com Leite, entre outras.

OV – O forró das antigas é ponto alto do show?
MF –
É o ápice do show, o momento em que as pessoas se realizam e se soltam para dançar ao som das músicas que fizeram sucesso há 20 anos atrás e muitas delas falam de amor e resgatam as lembranças daquela época.

OV -Durante a quarentena você inovou e está fazendo lives, como é isso?
MF
– Estávamos em casa, meus filhos Gabriela, Leonardo, meu marido e Eu um pouco aflitos e cansados de fazer faxina (risos) e, imaginamos que tantas pessoas estavam passando pelo mesmo momento que a gente e decidimos realizar lives para alegrar de alguma forma quem está perto de nós, como nossos vizinhos dos prédios ao redor, como também, meus seguidores do outro lado da tela do celular. Iniciamos com um momento de oração para reflexão e paz interior e depois cantamos todos os estilos musicais e a receptividade do público foi sensacional.

OV -O público participa? pede músicas também?
MF –
Eu sou tão grata a meu público e as pessoas que admiram meu trabalho porque eles interagem, mandam recados, pedem músicas, divulgam, agradecem e a gente consegue alcançar pessoas de todo país com a finalidade de levar alegria e descontração num momento tão difícil pelo qual passamos. Agradeço de coração!

OV -Você está sempre presente em shows beneficentes, não é?
MF
– Eu acredito que nós seres humanos viemos ao mundo para ser solidários, independentemente de qualquer classe social. Para mim, participar de eventos beneficentes é uma das coisas mais importantes para um artista e saber que você está ajudando ao próximo de alguma maneira é gratificante. Meu coração sempre se renova e não há dinheiro que pague esse sensação.

OV-Como você avalia esse momento para os artistas?
MF
– Esse momento de isolamento social e de fechamento de bares, restaurantes, casas de shows e centros comerciais é muito triste para muitos profissionais e artistas que vivem da música. Está sendo importante para refletirmos sobre essa nova era.

OV -Quais são seus sonhos e desafios para o futuro?
MF
– Tenho tantos sonhos a alcançar, mas que um dia se tornarão realidade, como cantar para uma multidão e ouvi-los em uma só voz cantarem junto comigo uma das minhas músicas de trabalho. Um dos meus desafios são romper as barreiras do meu Estado e conquistar cada vez mais meu público por todo Brasil levando alegria e música para as pessoas.

OV -Defina quem é A Dama do Forró…
MF –
É uma menina simples, firme e determinada que não se abate com os obstáculos que a vida lhe oferece. Para ela, não existe NÃO como resposta e muito menos deixar coisas para fazer amanhã, às vezes até um pouco ansiosa. Uma pessoa de coração bom, leve que acredita na fidelidade, respeito e empatia. Tem muita fé e acredita que tudo acontece no tempo de Deus e não desiste fácil dos objetivos almejados.

OV -Deixe uma mensagem para seus fãs…
MF
– Só tenho a agradecer a todos aqueles que torcem por mim e amam meu trabalho porque tudo que faço é com muito amor e dedicação. Obrigada a cada um! Amo vocês! Nunca deixe ninguém te colocar para baixo e dizer que você não é capaz porque podemos fazer o que quisermos. Siga sempre em frente com fé em Deus e leveza na alma. O que é seu, pessoa nenhuma tira.

Previous Governo transfere PIS/Pasep para o FGTS e permite saque de R$ 1.045
Next Conselho Nacional de Educação prepara documentos para orientar escolas