Verão pode aumentar o risco de infecções na região intima da mulher


O verão chegou com ele às altas temperaturas, os dias desejados de sol,
bronze e a praia e piscina com os amigos. Mas nesse período além da
preocupação com a pele para evitar queimaduras as mulheres precisam
prestar atenção nos cuidados com a região intima.

A ginecologista, Elaine Angelo, especialista em saúde, destaca que durante o período mais quente do ano o cuidado com a região intima deve ser redobrado. “Além do sol intenso em que pode levar a queimaduras de pele, há também um aumento da transpiração na região íntima levando a um aumento na proliferação de fungos e bactérias, provocando infecções .Daí devemos não só aumentar nossos cuidados de hidratação com líquidos ,de proteção solar mais rigorosa e por fim os cuidados de higiene íntima”.

Elaine explica quais são os tipos de infecção mais comuns durante o verão.
“Devido as mudanças de hábitos no verão, há um desequilíbrio na flora vaginal da mulher aumentando a chance de ter infecções com candidíase,
tricocomoníase e vaginose bacteriana. A Candidíase é o responsável pela
coceira e ardência vaginal, dor ao urinar e corrimento branco grumoso, é o
fungo que pertence à flora vaginal, a cândida.Já a tricomoníase é uma DST
(doença sexualmente transmissível )causada pelo parasita Trichomonas
vaginales  Por fim, a vaginose bacteriana é causada por uma bactéria
chamada Gardnerella vaginalis, e não é considerada DST.Todas causam
corrimentos específicos e desconforto para a maioria das mulheres”, comenta.

A ginecologista destaca que alguns hábitos influenciam diretamente na saúde íntima como roupas muito justas, biquíni molhado por muito tempo, ela cita cinco cuidados básicos para se manter longe de infecções. “Dê preferência a roupas leves. Passar longos períodos com calças ou shorts
apertados ou justos demais tende a “abafar” a região pélvica, deixando-a úmida e com retenção de calor. Opte por peças como saias e vestidos, que ajudam a respiração da região íntima, assim como calcinhas de algodão. Em segundo evite excesso de banhos diários. Na higiene diária, opte por utilizar sabonetes líquidos íntimos femininos – esses produtos possuem um pH compatível com o da região íntima feminina graças à presença do ácido lático, agente responsável por esse equilíbrio. Quando o pH fica desequilibrado – em situações de estresse ou devido à própria umidade extrema –, a vagina fica predisposta ao surgimento de infecções. Prefira calcinhas de algodão, lingeries produzidas com tecidos sintéticos, como náilon ou renda, ajudam a aumentar ainda mais a umidade da região por atrapalharem a transpiração.

Calcinhas de algodão, por sua vez, permitem um correto arejamento da virilha. Dormir sem calcinhas também é uma dica valiosa. Por ultimo evite ficar com roupas molhadas em praia ,piscina e academias. Não fique por muito tempo fora da água com o biquíni ou com a roupa suada após o treino da academia.

Mais uma vez, o problema é a umidade exagerada na vagina que, aliada ao
abafamento provocado pelos tecidos sintéticos da moda praia, permite a
criação de um ambiente perfeito para a proliferação de bactérias e fungos
causadores de infecções”, explica.

Elaine ainda alerta sobre a forma de lavar as peças intimas. “-Evite o uso
de amaciantes e alvejantes nas peças íntimas. Prefira sabão neutro para
lavar suas peças, lembrando sempre de enxaguar bem ,tirando todo
excesso e não deixar a calcinha secando no banheiro e,além de passar
ferro quando secar. O mais importante é evitar sempre a umidade”

Outros cuidados
Algumas mulheres gostam de usar protetores diários para se sentir mais
“limpa” durante o período do verão e a ginecologista comenta sobre. “Não
existem regras.Existe bom censo !Se a mulher gosta de se sentir sempre mais.

“sequinha”,ela pode sim usar protetores diários ,desde que se façam trocas
de no máximos a cada 4 horas para que não aumente a proliferação de
microorganismos indesejados ,levando a corrimentos e infecções.A contra-
indicação seria para as mulheres que são alérgicas aos componentes dos
protetores”, explica.

Já os sabonetes íntimos também causam dúvida. “Os sabonetes íntimos
podem ser usados diariamente desde que obedeçam a esses critérios : que
sejam líquidos preferencialmente ,que tenham uma Ph balanceado ou ácido (4-6),hipoalergênico , não bactericida e de preferência sem perfumes”, conta.

Elaine ainda explica que durante o verão é necessário ter alguns cuidados
na hora da depilação já que a medida que crescem podem ser meio de
culturas para proliferação de microorganismos principalmente com o suor em excesso . A ginecolgista da dicas de alguns cuidados são essenciais nesse
período para que a pele fique lisinha sem manchas e sem infecções .
“Primeiro não deve se expor o sol após a depilação.A região depilada fica
muito sensível, principalmente as áreas mais íntimas, por conta da alta
temperatura do produto nos caso da depilação com cera quente .Então
recomenda-se ficar pelo menos 48 horas sem se expor ao sol evitando assim manchas e foliculites (infecções de pele).Outra dica importante é tomar cuidado com os produtos que você usa no corpo após a depilação. Cosméticos com ácidos ou álcool podem irritar a pele e também provocar manchas ou mesmo queimaduras.Nesse caso, evite desodorantes, perfumes e hidratantes que estejam nessa categoria logo após o procedimento. Depois de se depilar, aposte em um banho frio use um sabonete neutro – de preferência aqueles de bebê – para limpar a região. Em seguida, deixe a pele respirar usando roupas mais soltinhas..0utra dica importante :fazer esfoliação 1 vez por semana,pois evita pelos encravados e também aumento da pigmentação da partes intimas .Nas mulheres que não gostam de depilar devem pelo menos estar sempre aparando os pelos ,pois o suor acumulado neles serve de meio de cultura para microrganismos”, destaca.

Previous Raí Soares prepara show especial para brindar a chegada de 2019 no Réveillon Maikai Paradise
Next A natureza pode estar presente na decoração trazendo harmonia ao ambiente