Muito mais que um simples livro


(Foto: V Photography and Art)

Apesar da falta de incentivo, os livros são importantes ferramentas de transformação pessoal e social

Para alguns os livros são apenas objetos. Para outros é uma oportunidade de viajar para outros tempos, outros lugares, outros mundos; uma oportunidade de viver uma realidade completamente diferente da sua. Mas para quem lê, além de tudo isso que acabei de mencionar, os livros são uma ferramenta de transformação de suas próprias vidas.

Wilson Santos teve a vida transformada graças aos livros

Um exemplo de transformação que os livros possuem é a própria vida do vigilante Wilson Santos Filho. Aos 15 anos ele ainda não sabia ler ou escrever, mas adorava ouvir as histórias que sua mãe lhe contava e isso o motivou a frequentar a escola.

“A minha paixão pelos livros começou com a minha mãe lendo para mim. Aquilo despertava curiosidade e eu imaginava como seria eu mesmo lendo, porque até então eu absorvia aquelas histórias através dela. Foi aí que começou a minha busca para aprender a ler e, quando eu aprendi, aumentou o meu prazer pelos livros e eu não parei mais”, lembra com carinho.

Foi visitando os sebos e lendo livros sobre filosofia e literatura que Wilson conheceu novos livros, novos autores e novas visões sobre o mundo. “Os sebos são acessíveis e possuem em seus acervos livros dos mais diversos assuntos. Além disso, os donos nos ajudam muito. Eles nos indicam livros, procuram com paciência os livros em meio ao acervo”, comenta.

Através do gosto que adquiriu pela leitura, Wilson galgou passos que, antes dos 15 anos, talvez ele nunca imaginaria. Além de aprender a ler e escrever, ele foi para a escola, se formou no ensino médio, mas não parou por aí. Foi para a universidade e, recentemente, se formou no curso de Letras. “Para mim o livro representa uma quebra de paradigmas. Eu mudei de vida graças a eles e hoje percebo as diversas visões que podemos ter sobre o mundo”, afirma.

CLUBE DE LEITURA

Como uma forma de difundir e discutir sobre livros, diversos clubes de leitura existem pelo país, e em Aracaju não seria diferente. A jornalista Mirella Mattos, que desde criança ama ler, participa de um desses clubes.

“Eu sempre quis fazer parte de um clube de leitura, mas nunca tinha tido essa oportunidade. Até que eu fui convidada por uma amiga para participar de um clube restrito de leitura, onde lemos, discutimos e conhecemos novas obras. E nós estamos em uma fase de empoderamento, então todas as obras que lemos até o momento possuem esse apelo”, comenta.

Mirella Mattos participa do um clube de leitura

COMÉRCIO DE LIVROS

Natan de Albuquerque vende livros há mais de dez anos

Um dos sebos mais conhecidos e frequentados da cidade é o sebo do Natan, no centro de Aracaju. Há dez anos, o aposentado Natan de Albuquerque comercializa livros usados, cinco deles nas proximidades da Rodoviária Velha. Um acervo com milhares de livros que tratam sobre os mais diversos assuntos, de filosofia a medicina, da literatura tradicional à contabilidade.

“Infelizmente, as livrarias maiores se preocupam mais em comercializar aqueles livros que são lançamentos ou que estão na moda, enquanto que nos sebos você encontra livros que estão até mesmo fora de catálogo, como os clássicos da literatura nordestina”, explica.

Segundo Natan, os sebos sobrevivem hoje graças ao amor que os seus donos têm pelos livros, que geralmente têm coleções há anos, como ele próprio que desde os 13 anos coleciona livros. Para ele, os sebos são espaços culturais em que as pessoas podem conversar sobre qualquer assunto. “As pessoas gostam de vir nos sebos para debaterem sobre diversos assuntos, como religião e política”, comenta.

Apesar da resistência de sebistas e de leitores, o Brasil segue nas últimas colocações quando o assunto é o consumo de livros. Hoje, o Brasil ocupa a posição de número 59 em leitura entre 76 países. A pesquisa é feita com base no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), que é aplicado em estudantes a partir do 7º ano. Segundo o Banco Mundial, isso fará com que os estudantes brasileiros levem mais de 260 anos para atingir a proficiência em leitura dos alunos de países desenvolvidos.

Previous Polícia Federal desmonta cartéis
Next Corruptos que se cuidem, a PF vem aí