Maria Mendonça diz que ameaçaram matar alguém da sua família; Valmir de Francisquinho rebate


Prefeito afastado de Itabaiana nega fundamento da ameaça

A deputada estadual Maria Mendonça (PSDB) utilizou o grande expediente da sessão da Assembeia Legislativa realizada na tarde desta segunda-feira (10) para falar que na semana passada, uma pessoa disse ao ex-deputado José Teles de Mendonça, seu irmão, que alguém estava hospedado em hotel de luxo, contratado para matar um membro da família Teles de Mendonça.

Em seu pronunciamento, Maria disse que ela e José Teles foram à Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) e passaram a informação para o secretário da pasta, João Eloy, e registraram um Boletim de Ocorrência na Coordenadoria da Polícia Cvil do Interior. Maria pediu proteção policial.

Segundo Maria, após o registro do Boletim de Ocorrência, o prefeito de Itabaiana afastado, Valmir de Francisquinho (PR), foi chamado para prestar esclarecimentos.

Valmir de Francisquinho rebateu a denúncia e condenou as declarações de ameaças recebidas pela deputada. “Se não bastasse, agora me chega a triste notícia de que o irmão da prefeita em exercício teria buscado proteção policial, alegando se sentir ameaçada por mim e pelos meus amigos. Quem me conhece sabe que sempre fui e sou uma pessoa da paz, do diálogo, e apesar do momento político pelo qual passa a nossa Itabaiana, comprovo com minhas atitudes apenas tristeza e indignação, mas sempre com a esperança buscada em Deus, através do conforto que só as orações podem nos oferecer nesse momento”.

Através de nota, Valmir repudiou as declarações de Maria, sua ex-aliada política. “Essa atitude apenas visa atingir de forma negativa a minha imagem e a dos que me acompanham”.

Valmir de Francisquinho é chamado para prestar esclarecimentos

Confira a nota emitida por Valmir na íntegra:

“Quero iniciar esse pronunciamento perguntando até quando os meus opositores irão criar estórias para denegrir a minha imagem, construída com muito suor? O desejo de perseguição não pode ultrapassar o limite do bom senso e atingir a vida de outro com esta intensidade.

Quando do meu afastamento involuntário, quiseram atribuir a mim o fato da Vice Prefeita não ter assumido imediatamente as funções de Prefeito, a ponto de eu ter que apresentar documento à Câmara de Vereadores para evitar qualquer acusação em meu desfavor. Mesmo assim, e antes de acabar os prazos legais, buscou, desnecessariamente, a justiça com o objetivo de me prejudicar alegando, dentre outras coisas, que teria eu, supostamente, abandonado o cargo.

Em seguida, já no poder e com o objetivo de pôr em mim o rótulo de gestor ineficiente, criou-se o boato de que a Prefeitura estava sem recursos, o que foi prontamente desmentido por haver quase R$ 30 milhões em conta, tanto que os pagamentos das folhas se mantiveram regulares no mês de novembro. E várias foram as falácias desde então.

Se não bastasse, agora me chega a triste notícia de que o irmão da Prefeita em exercício teria buscado proteção policial, alegando se sentir ameaçado por mim e pelos meus amigos. Quem me conhece sabe que sempre fui e sou uma pessoa da paz, do diálogo, e apesar do momento político pelo qual passa a nossa Itabaiana, comprovo com minhas atitudes apenas tristeza e indignação, mas sempre com a esperança buscada em Deus, através do conforto que só as orações podem nos oferecer nesse momento.

Quero, neste momento e em público, repudiar essa atitude que apenas visa atingir de forma negativa a minha imagem e a dos que me acompanham. Isso porque, durante toda nossa trajetória de vida pública, modificamos significamente  a forma de fazer política, levando, sem qualquer distinção, o desenvolvimento para o nosso povo.

Que Deus ilumine os corações e mentes daqueles que inventam essas inverdades e que seja feita a vontade do Nosso Senhor, pois ela é superior e está acima do desejo de poder dos homens”.

Previous Primeiros alimentos da vida
Next Atendimento ao público no Detran será alterado a partir do dia 17