Deputado Moritos Matos responde Cinform


(Foto: Divulgação/Alese/Jadilson Simões)

(A edição virtual, em formato com extensão pdf, de número 1857, do Jornal Cinform, publicado essa semana, expõe matéria intitulada “A Farra dos Deputados com Nosso Dinheiro”, da Jornalista Paula Coutinho, que versa sobre os gastos com Verbas para o Exercício da Atividade Parlamentar, abreviada de VEAP.

Contudo, para minha perplexidade, está exposta uma foto deste parlamentar, inclusive com meu nome grafado erroneamente (Mouritos) e com legenda “Perderam a boquinha”. Apesar de meu nome não ter sido citado, ainda que escrito de forma errada, durante o corpo do texto, a minha imagem na matéria torna questionável a minha conduta no que concerne os gastos inadequados tratado nessa reportagem.

Gostaria de expressar que, claramente a jornalista não acompanha meu trabalho como parlamentar, bem como meus gastos, devidamente expostos no site da Assembleia Legislativa de Sergipe, na aba Transparência. Assim, trato dos seguintes pontos a seguir.

Informo que desde de que assumi o mandato como Deputado Estadual, em janeiro de 2017, mantive os gastos em concordância apenas com as devidas necessidades. Não efetuei nenhum contrato para locação de veículos, resumindo-me a utilizar apenas o único veículo disponibilizado a mim pela Assembleia e cujo abastecimento é realizado unicamente no posto credenciado por esta Casa.

Tampouco, enquanto parlamentar na Alese, realizei viagens para outros Estados, com recursos da VEAP, e muito menos frequentei restaurantes luxuosos, pois, a minha “high society” localiza-se na zona norte de Aracaju, mais especificamente no bairro 18 do Forte, onde resido há mais de 30 anos. Por fim, afirmo que, desde que assumi em janeiro de 2017, até outubro 2018, usei apenas 32,96%, de toda a verba disponível pela Assembleia nesse período, o que representa uma economia de R$ 660.956,00 para os cofres públicos, visto que cada gabinete tem disponível mensalmente R$ 39.200,00, oriundo da VEAP. Por vezes, por meio de uso da tribuna, publicação em revista própria, e divulgação nas minhas redes sociais, expus à sociedade sergipana, esses valores e o meu compromisso com o uso adequado do dinheiro público.

Assim, sugiro que, em uma outra oportunidade não seja utilizada a minha imagem quando a matéria tratar sobre o descaso com o uso do dinheiro público, pois nunca usei esse recurso para “farras” ou “boquinhas”, visto que, para mim, política é missão e não meio de vida.

Previous Limpeza sem dores de cabeça
Next Whindersson Nunes apresenta espetáculo ‘Eita, casei!’ em Aracaju