Chevrolet Tracker ganha versão com controles de tração e estabilidade


Carro ganha motor turbo e mantém preço para ameaçar Jeep Renegade e Honda HR-V

Desde a geração lançada em 2013, o Chevrolet Tracker sempre teve um conjunto de suspensão e direção interessantes. O que mais faltava ao modelo era um trem de força adequado, já que nem o bom câmbio automático de seis marchas fazia milagre com o 1.8 16V aspirado herdado do Cruze. Na época, o segmento de SUVs compactos se limitava a Ford EcoSport e Renault Duster. Não era difícil para o Chevrolet Tracker representar uma terceira via com motor 1.8, versatilidade e o requinte que não se via nos outros dois.
Mas o SUV da GM não resistiu à chegada de Honda HR-V e Jeep Renegade e hoje nem sequer ameaça a sexta posição do Peugeot 2008 no segmento: vendeu 8.558 unidades em 2016, contra 10.692 do francês.

Talvez o Chevrolet Tracker tenha mais sorte a partir de agora, tendo o novo Cruze como fonte de inspiração. A reestilização chega acompanhada do mesmo motor 1.4 turbo do sedã, mas com preço inicial mantido em interessantes R$ 79.990.

A proximidade dos dois está no design. Faróis (que têm leds diurnos e projetor de bloco elíptico na versão LTZ) têm o mesmo formato e estão alinhados com a grade estreita, que nem sequer é funcional: todo o ar que passa pelo radiador entra pela grande tomada de ar inferior, que também aloja a placa. Os nichos dos faróis de neblina também cresceram.

Novo Tracker
Entre as novidades, estão a adoção de equipamentos de segurança, divididos em 2 pacotes. Na versão Premier 1, há controles de tração e estabilidade. No Premier 2, ainda há airbags laterais e de cortina, alerta de colisão frontal e de manutenção de faixa. No entanto, versão de entrada, LT, não oferece os itens nem como opcionais.

“Gostei muito do veículo que é compacto, confortável e econômico. O motor turbo ajuda no desenvolvimento. O visual é muito agradável e os freios ABS funcionam muito bem”, disse a administradora Andrezza Valéria.

Com a chegada da linha 2019, o Chevrolet espera dobrar o volume de vendas do Tracker. O modelo nunca conseguiu acompanhar os líderes de mercado. Entre janeiro e setembro deste ano, foram emplacadas pouco menos de 8 mil unidades, número parecido com os do Peugeot 2008, e distante do pelotão da frente, composto por Honda HR-V, Jeep Renegade e Hyundai Creta, todos com mais de 25 mil exemplares vendidos no período.

O novo para-choque tem área pintada maior, envolvendo os refletores. O Tracker LTZ das fotos tem lanternas com leds, enquanto o LT mantém praticamente a mesma lanterna de antes, mas com lentes transparentes para as luzes de seta e ré.

Previous Tribunal de Contas fará auditoria em municípios que mantêm matadouros
Next Fest Verão Sergipe vai reunir grandes atrações em Aracaju