Belivaldo Chagas diz que seu projeto planeja os próximos 30 anos


Arquivo/Divulgação

Atual governador vai enfrentar Valadares Filho no segundo turno

Os sergipanos vão voltar às urnas no próximo domingo (28) para eleger o novo governador do estado. Os candidatos Belivaldo Chagas (PSD) e Valadares Filho (PSB) vão disputar o 2º turno das eleições. No 1º turno, o atual governador recebeu 40,84% dos votos válidos, contra 21,49% do concorrente. A disputa segue acirrada e Belivaldo garante que seu projeto de governo planeja os próximos 30 anos. Ele diz que o principal desafio é reequilibrar as finanças públicas.

Belivaldo Chagas tem 58 anos, é natural de Simão Dias e é defensor público aposentado. Tem três filhos e é divorciado. Sua trajetória política iniciou cedo quando foi candidato à vereador de Simão Dias. Ele foi eleito deputado estadual durante quatro mandatos. Em 2006, tornou-se vice-governador após a eleição de Marcelo Déda (PT). Em 2010, foi novamente vice-governador ao lado de Jackson Barreto (MDB) e no dia 07 de abril de 2018, Belivaldo assumiu oficialmente o Governo do Estado de Sergipe.

Confira a entrevista na íntegra que o candidato concedeu ao CINFORM:
CINFORM – Como o senhor avalia o resultado do primeiro turno das eleições?
BC – Antes de mais nada, quero agradecer aos mais de 403 mil eleitores sergipanos que confiaram nas ações e nas palavras de Belivaldo Chagas e me levaram ao segundo turno com mais de 40% dos votos válidos. Encaro o resultado das urnas de forma extremamente positiva, pois pudemos perceber que os sergipanos compreenderam a nossa mensagem, nossas propostas e nos deram o voto de confiança para fazer Sergipe avançar ainda mais. Continuaremos nossa aliança com a população sergipana, dialogando, apresentando propostas e, com fé em Deus e em Nossa Senhora Santana, seguimos rumo a mais uma vitória agora no segundo turno.

CINFORM – Por que o senhor se considera a melhor opção para governar Sergipe?
BC – Os motivos são vários, e um deles diz respeito à experiência que tenho acumulada ao longo dos anos na gestão pública. Orientamos nossas metas na administração do Estado não apenas para os próximos quatro anos, pensando em uma reeleição lá na frente, algo que está descartado. Assim, elaborei, junto com Eliane Aquino, candidata à vice da minha chapa, um Programa de Governo que visa preparar Sergipe para além da minha próxima gestão, mas voltado, sobretudo, para o futuro das próximas gerações, para os próximos 30 anos. Vamos superar a crise das finanças que imobiliza a capacidade do setor público e ampliar e melhorar as políticas públicas, notadamente aquelas que afetam as faixas mais carentes da população. Então peço aos eleitores que comparem as duas candidaturas, as propostas, avaliem a história de cada um e o que já fizeram quando tiveram a oportunidade de fazer, mas não deixem de votar e escolher o candidato que melhor lhes representa, se o candidato experiente, que conhece bem o funcionamento da máquina administrativa e já mostrou que sabe como superar os desafios e fazer Sergipe avançar, que é Belivaldo Chagas, ou aquele que não sabe o que diz, não tem experiência alguma e quer fazer da cadeira de governador seu primeiro emprego.

CINFORM -Quais são os principais problemas de Sergipe e como pretende solucioná-los, caso seja eleito?
BC – Nosso principal desafio hoje é reequilibrar as finanças públicas e esse trabalho já estamos fazendo. É preciso, antes de tudo, sanear as nossas contas. Por isso, ao assumir o cargo, implementei um Plano de Recuperação Econômica e de Geração de Emprego, que tem nos possibilitado reduzir despesas e aumentar nossas receitas. Com essas ações, teremos ganhos em recursos públicos, que serão revertidos na oferta qualificada das políticas públicas em todas as áreas. Nosso programa de governo prevê um aprofundamento das medidas que já colocamos em prática e que tem demonstrado resultados positivos, como a regularização dos pagamentos dos servidores e dos fornecedores. Estamos avançando e, com fé em Deus e ajuda do povo de Sergipe, vamos vencer esta eleição e fazer Sergipe avançar ainda mais.

CINFORM – Os partidos aliados vão ter espaço em seu governo de qual forma? Houve promessas?
BC – Não houve e não há qualquer que seja a promessa a esse ou àquele partido em relação a ocupação de cargo no meu próximo governo. Na composição de um governo, é algo extremamente natural um partido sugerir e indicar nomes para auxiliar o governador. Digo e repito, na minha equipe só fica quem trabalha. A pessoa que assume um cargo, independentemente de ter sido indicado por um partido aliado, se não cumprir as metas e não se enquadrar no ritmo de trabalho do governador, automaticamente tá fora. No meu governo não tem essa conversa de apadrinhamento político para proteger quem não trabalha. Vou ter ao meu lado aqueles em quem confio e sei que posso esperar um bom trabalho, independente se é ligado a partido A ou B. Essas conversas acontecerão no devido momento e com toda cautela e cuidado para que possamos montar uma equipe de governo técnica e competente.

CINFORM – Por que o povo sergipano deve acreditar em seu projeto e votar em você?
BC – Como já disse, temos duas candidaturas neste segundo turno. Uma, a da experiência, outra a da falta de capacidade para governar. Então, com Belivaldo, os sergipanos têm a opção de escolher, nesse momento delicado pelo qual passamos, um gestor, alguém que tem mostrado todos os dias que sabe como resolver os problemas e superar os desafios e que vai administrar o Estado de forma técnica, com responsabilidade e transparência, sem prometer aquilo que não vai ter condições de cumprir. Por isso, peço aos eleitores sergipanos, mais uma vez, que me deem a oportunidade de seguir administrando nosso Estado votando em Belivaldo Chagas no próximo dia 28 de outubro.

Previous “Sou o novo contra a velha política”, defende Valadares Filho
Next Turismo no Instagram