Homens se envolvem mais em acidentes de trânsito


DPVAT aponta que três em cada quatro indenizações são para homens

O Dia Nacional do Homem foi comemorado no dia 15 de julho. A data foi criada para reforçar a importância dos cuidados com a saúde, muitas vezes deixados de lado pelos homens. Os números divulgados pela Seguradora Líder, responsável pela administração do Seguro DPVAT, também comprovam a necessidade de conscientização no trânsito. Segundo os dados, 75% das indenizações pagas por acidentes de trânsito em Sergipe, e os números seguem em todo o país, são para vítimas do sexo masculino.

Apenas no ano passado, foram quase 384 mil indenizações pagas pelo DPVAT. Destas, a maior parte foi para homens entre 18 e 34 anos. Eles também representaram 82% das vítimas nos casos de acidentes com mortes.

De acordo com especialistas, normalmente, os homens se mostram mais impacientes ao volante e menos atentos às normas de trânsito. Assim, atitudes como o não uso dos equipamentos de segurança, abuso de ultrapassagens e utilização de aparelhos eletrônicos acabam se tornando frequentes causas de acidentes.

“Hoje estou mais paciente e atento no trânsito mas já sofri quatro acidentes. Infelizmente foi necessário eu passar por isso para amadurecer. Mas é importante estar muito bem fisicamente e psicologicamente antes de sair de casa dirigindo. A responsabilidade que o motorista deve ter é muito grande. A irresponsabilidade pode provocar muitos danos ao próprio condutor e também pode colocar as vidas dos pedestres e outros motoristas e passageiros em risco”, alerta o professor Etevaldo Júnior que mora em Itabaiana.

Dados alarmantes
De acordo com o Denatran, dos 45 milhões de motoristas no Brasil, quase 30 milhões são do sexo masculino. De acordo com os números, 71% dos acidentes no país são provocados pelos homens. Além disso, 70% das multas registradas são para motoristas do sexo masculino. Segundo o Censo do IBGE 2010, a população brasileira é composta por 49% de homens e 51% de mulheres.

Ainda de acordo com os números da Seguradora Líder, no comparativo entre homens e mulheres, o maior risco associado ao volante também pode ser verificado pelas estatísticas referentes ao condutor do veículo. Em 2017, 42% das indenizações pagas para condutores dos veículos foram para o sexo masculino, contra apenas 7% para motoristas do sexo feminino.
Os números revelam ainda que a maior incidência de indenizações pagas foi para a faixa etária considerada economicamente ativa, de 18 a 34 anos, representando 37% dos indenizados (cerca de 142 mil).

No recorte de acidentes com motocicletas, também no ano passado, 88% das indenizações por morte e 79% por invalidez permanente também foram para homens. Já as indenizações por acidentes com os demais veículos representaram 65%. Isso demonstra que motociclistas do sexo masculino se envolvem em mais acidentes que condutores homens dos demais veículos.
Somente em 2018, de janeiro a maio, já foram pagas 148.164 indenizações por acidente de trânsito em todo o território nacional, sendo aproximadamente 111.123 sinistros pagos a vítimas do sexo masculino.

Previous Profissionais da Bahia e Sergipe debatem novas tecnologias para tratar obesidade e ansiedade
Next Estiagem reduz em 40% a produção de grãos em Sergipe