André Moura se compara a Jackson Barreto e critica atual Governo


(Foto: Reprodução/Facebook)

“Mandato de deputado valeu mais que o de governador”

O pré-candidato ao Senado, André Moura (PSC), afirmou que pela primeira vez na história, o mandato de um deputado federal (nesse caso se referindo a ele mesmo) valeu muito mais do que de um governador, quando o assunto foi liberação de recursos.

“Fizemos uma prestação de contas e mostramos que trouxemos mais de R$ 1,4 bilhão. Sabia que quando assumi a liderança do governo teria que dar uma cota de sacrifício, mas Sergipe nunca recebeu tantos recursos. Pela primeira vez na história, um mandato de deputado valeu muito mais do que o de um governador”, disse André.

André Moura é baiano mas mora em Sergipe desde a sua adolescência. Foi prefeito do município de Pirambu por dois mandatos consecutivos, no período de 1997 a 2004, quando era membro do Partido da Frente Liberal (PFL). Depois elegeu-se deputado estadual em 2006, já filiado ao PSC.

Desde fevereiro de 2011 ocupa o cargo de deputado federal por Sergipe. é o líder do governo no Congresso Nacional do Brasil. Foi líder do governo na Câmara dos Deputados de maio de 2016 a fevereiro de 2017, quando o Presidente Michel Temer indicou Aguinaldo Ribeiro para substituí-lo na função.

Política nacional
Ainda na seara de líder do governo Federal, André falou sobre o desgaste de Temer e o desafio em articular na Câmara e no Senado em sua defesa.

“Um governo que recebeu um país com uma herança muito difícil. Sabíamos das dificuldades que teríamos. Qualquer um que assumisse não faria milagre e sofreria o desgaste. Por outro lado, eu tinha consciência da importância para Sergipe de assumir a liderança do governo naquele momento”, pontuou o deputado.

André aproveitou para criticar o atual governo com relação à não construção do Hospital do Câncer. “O governo do Estado conseguiu o mais difícil, que foi perder o recurso na conta. O senador Eduardo Amorim conseguiu R$ 200 milhões para a construção. Na saúde, a gente vê que Sergipe vive um momento muito difícil”, disse o pré-candidato.

Defesas Polêmicas
Temas polêmicos defendidos pelo parlamentar também foram abordados durante a entrevista, a exemplo da redução da maioridade penal e o fim do voto obrigatório.

“Tenho a convicção plena de que é importante a redução da maioridade penal. Adolescentes de 16 anos não podem ficar impunes. Com relação ao voto, defendo que ele não seja obrigatório. Muitas vezes, o cidadão vai e vota de qualquer maneira. Aquele deputado que entende que o voto tem que ser de cabresto, se coloca contrário”, afirmou o deputado.

Por último, o parlamentar falou da apresentação final da chapa para o governo, incluindo o nome do vice. “Não é mistério. É um momento de diálogo. A questão do vice fica para os últimos minutos finais. Eu acho que é um momento ímpar para que uma mulher possa contribuir ao lado de Eduardo para um futuro governo, mas não temos nada definido ainda”, finalizou André Moura.

Previous Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
Next Jornalistas de três estados debatem atual linguagem televisiva em Aracaju