Parque dedicado a aves de rapina é atração na Serra de Itabaiana


Parque dos Falcões tem autorização do Ibama para a criação de aves em cativeiro

Quem escolher Sergipe como roteiro turístico não pode deixar de conhecer o Parque Nacional da Serra de Itabaiana. O município que é localizado no agreste do estado conta com serras, cachoeiras, poços, grutas e rios, e é muito indicado para quem gosta de ecoturismo, admirar a natureza e praticar esportes radicais.

“Em Itabaiana é possível encontrar diversos roteiros de ecoturismo. A Serra de Itabaiana possui muitas espécies de plantas, trilhas, faunas, além do Poço das Moças. Os moradores do município são muito hospitaleiros e estão aguardando a visita dos turistas que, depois de conhecer as belezas naturais, têm que experimentar o churrasco mais gostoso do Brasil”, convida o guia de turismo Marcos Mota.
Meio ambiente
O Parque Nacional da Serra de Itabaiana reúne ecossistemas de mata atlântica e de caatinga. O local é uma rica reserva hídrica com cachoeiras que favorece o ecoturismo. O parque possui uma área de 7.966 hectares e é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Segundo o motorista e aventureiro, Alex Brum, de 41 anos, que realizou diversas trilhas a pé e de bicicleta, para aqueles que curtem um bom esporte ao ar livre o ideal é realizar a trilha que segue pela região conhecida como ‘Caldeirão’, onde o acesso se dá pelo Povoado Rio das Pedras.

“O visual é maravilhoso. Essa trilha em especial é muito bacana, pois vamos subindo seguindo as margens do riacho que nasce lá no topo da serra. Durante a caminhada passamos por diversas cachoeiras, que são um atrativo à parte, além de fazermos a escalada pelos paredões de pedras. Muitas vezes meu grupo chegava a acampar durante dias na região. O melhor mesmo é fazer a trilha, aproveitar todas as belezas naturais e retornar à civilização”, destacou o aventureiro, que costuma chegar ao topo da serra para contemplar a vista.

Ainda de acordo com Alex, além da beleza natural da vegetação e das cachoeiras, a fauna da região pode ser apreciada facilmente. “Há muitos lagartos típicos dessa área, algumas espécies de cobras que felizmente nunca cruzaram nosso caminho, gaviões que fazem seus voos cruzando a serra, diversos pássaros, além de raposas, jaguatiricas e guaxinins”, disse.
Parque dos Falcões
Entre os municípios de Itabaiana e Areia Branca, existe um parque dedicado a aves de rapina onde os falcões, gaviões, carcarás e corujas passam por reabilitação no local que está localizado na entrada da Serra de Itabaiana.

Seu fundador, José Percílio, possui uma relação de amor e carinho com as aves que cria e recupera. O parque é um dos poucos locais do país com autorização do Ibama para a criação dessas aves em cativeiro. Com o objetivo de proteger as espécies de aves de rapina que habitam o céu brasileiro, o Parque dos Falcões tornou-se uma referência mundial no manejo, reprodução e reabilitação desses animais, acumulando um grande conhecimento sobre o seu comportamento.

“É a primeira vez que venho ao parque e amei esse contato com a natureza. Um trabalho realizado com muito amor e dedicação, a luta pela preservação ambiental deve ser de todos. Volto para o Sul divulgando esse lugar encantador”, elogia Ademilson dos Santos, que mora em Curitiba.

O cantor Marlus Viana visitou o Parque dos Falcões na semana passada e ficou encantado. “É impressionante a relação entre Percílio e as aves. Ele faz um lindo trabalho e merece todos os nossos aplausos. O lugar é lindo e deve ser ponto de parada obrigatória para todos os sergipanos e turistas”, vibra.
Caso de amor
A relação entre Percílio com as aves começou na década de 1980, quando ele encontrou uma ave carcará morta perto da sua casa, ficou sensibilizado com a situação e tentou reanimá-la. Depois, percebeu que havia um ovo dentro da barriga da ave. Percílio retirou o ovo e, depois de 28 dias sendo chocado por uma galinha, nasceu Tito, seu primeiro grande amigo. Hoje, Tito tem 27 anos e Percílio, que tem 34 anos, cuida de mais de 300 aves, entre gaviões, falcões, corujas, pombos, patos e galinhas.

“Quando encontrei a ave morta, eu pensei que fosse um pato e fiquei muito triste com a sua morte, mas feliz ao encontrar um ovo dentro dela. Tito nasceu no dia 25 de agosto de 1984, data em que completei 7 anos. Ele foi o meu presente de aniversário”, recorda.
O amante das aves revela que através de Tito aprendeu a se comunicar com as aves. “A gente foi se conhecendo e eu aprendi que ele me dava de volta tudo o que eu lhe oferecia, se eu dava carinho, ele retribuía. A gente colhe tudo o que planta. As aves são muito inteligentes e sensíveis. É uma relação de amizade e respeito. Abri mão da minha vida para cuidar dos animais. Vivo por eles”.

Ao som do apito ou da própria voz do treinador, as aves simulam ataques a presas imaginárias. Cada ave realiza um treinamento individualizado, levando em consideração tanto as habilidades de cada espécie quanto as necessidades e os objetivos traçados para cada indivíduo.

Muitas aves chegam ao parque machucadas e recebem toda atenção de Percílio. O parque tem conseguido resultados excepcionais de reprodução em cativeiro. Os filhotes são treinados, usados em filmes e muitos são inseridos na natureza.

Turismo ecológico
Para chegar ao centro conservacionista siga de Aracaju em direção a Itabaiana. Depois de passar pelo município de Areia Branca, percorra aproximadamente 9 Km. No lado direito, há uma placa indicativa sobre o Parque dos Falcões. Siga por essa estrada por mais 2,5 Km.

O Parque dos Falcões é aberto ao público das 8h às 11h e das 13h às 16h, de terça a domingo. O valor por pessoa é de R$ 20, e as visitas devem ser agendadas nos telefones: (79) 9962-5457 / 9131-3496.

Previous Campanha de vacinação contra a Influenza é prorrogada até o dia 15
Next Copa atrasada