Operação Xeque-Mate: nove pessoas presas e 165kg de drogas apreendidas


(Fotos: Divulgação/SSP)

Nesta terça-feira (29), o Departamento de Narcóticos da Polícia Civil (Denarc) apresentou os detalhes do conjunto de operações que resultou na localização do corpo de Luan Anderson da Silva e na desarticulação de associação criminosa com envolvimento no tráfico de drogas.

Segundo o delegado André Baronto, responsável pelo caso, a Operação Xeque-Mate é o resultado de diversas operações realizadas no final de 2017. “Entre as ações, consta a apreensão de 165 kg de drogas, além da identificação de várias práticas criminosas, como homicídios, roubos de veículos, além de tráfico de drogas”, comenta.

Durante a operação, nove pessoas foram presas. São elas: Alessandro Magno da Silva, Celso Bernadino Rodriguez, Gabriel Henrique da Silva, Isaque Magno Oliveira Matos (vulgo “Obama”), Laio Herico Campos dos Santos (vulgo “Lesão da leste”), Leonel Bertoldo dos Santos (vulgo “Velho”), Luan Oliveira Rocha (“Japa”), Rodrigo dos Anjos Guimarães e Vinícius Santos da Silva (“Overa”).

“Desde o ano passado trabalhamos nessa operação fazendo operações menores, prendendo alguns indivíduos, apreendendo material entorpecente, armas de fogo. São indivíduos extremamente perigosos, violentos, tanto é que qualquer desavença que havia entre eles e outros criminosos, eles decidiam pela execução, por isso nós temos alguns homicídios elucidados durante a investigação. Esse material de prova nós vamos enviar para o Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) para que eles continuem as investigações”, destacou o delegado.

Um dos homicídios atribuídos ao grupo é o do adolescente Luan Anderson da Silva. No último dia 17, o corpo do adolescente foi encontrado no mangue próximo ao Mutirão do conjunto João Alves, em Nossa Senhora do Socorro. Segundo as investigações, Isaque Magno Oliveira Matos, um dos presos durante a operação, é o autor do homicídio do adolescente.

O delegado André Baronto esclarece ainda que as investigações continuam no intuito de verificar a participação de outros indivíduos. “Ainda existem algumas pessoas a serem presas, o material colhido nas investigações será encaminhado para outros departamentos. Foram identificados roubos de carros, roubos majorados, homicídios, tentativa de homicídios. Nós vamos juntar as provas que já temos e vamos distribuir com os demais departamentos para que as investigações possam continuar”, comenta.

Previous CINFORMANDO: Iggor Oliveira e a sensatez administrativa diante da imprevisibilidade econômica
Next Conselheiros do Creci-SE elegem diretoria para o próximo triênio