Tatuagens se popularizam como arte e expressão corporal


De todas as formas, cores e tamanhos, tatuagens consolidam tendência

Os amantes de tatuagens driblaram o preconceito e conquistaram respeito e cada vez mais admiradores desta arte. Ter tatuagem virou tendência, principalmente entre as tribos de jovens. Desenhos decorativos que podem ser carregados de expressividade estão cada vez mais presentes na vida das pessoas de todas as classes sociais e faixas etárias. Estão em alta também expressões de amor, sexualidade, desafetos, protesto, individualidade e identidade grupal, além de homenagens a familiares, ídolos e recordações de momentos especiais.
Tatuagens podem ser consideradas ícones de autonomia e personalidade. Em sociedades nas quais pessoas singulares são valorizadas, marcar a própria pele com elementos verbais ou não-verbais que expressam a visão do indivíduo sobre o mundo, definitivamente, tem seu valor em determinados grupos sociais.

“Antigamente ter tatuagem era sinônimo de pertencer a algum grupo de vandalismo ou algo pior para a sociedade, que era muito preconceituosa. Com o passar do tempo as pessoas foram entendendo e admirando essa arte expressa no corpo. Uma tatuagem não pode manchar a imagem de alguém. Quem usa deve ter respeito, mas aos poucos a sociedade foi compreendendo a mensagem e acredito que a turma de hoje não sinta nenhum tipo de preconceito. Não existe um grupo específico que usa tatuagem, é questão de gosto, mas todas as classes aderiram à moda. Geralmente as tatuagens representam um momento importante ou intenso”, explica a psicóloga Gisele Donald.

Loucos por tatuagem
A paixão de Anselmo Custódio Simões pelas tatuagens começou muito cedo, ainda criança ele admirava as tatuagens, hoje tem 10 e é tatuador. “Sempre gostei de desenho e pintura. Desde a infância as tatuagens me chamavam muita atenção. Um dia meu irmão Matheus fez uma máquina improvisada, começou a tatuar e pediu que eu fizesse uma nele, daí não consegui mais parar. Quando comecei não existiam cursos e meu irmão, que já era tatuador me ensinou muito, mas aprendi quase tudo na prática e trocando experiência com outros profissionais”, explica.
Kauam Pereira também é tatuador, hoje tem 9 tatuagens e pretende fazer mais. “Minha relação com essa arte primeiro vem a influência direta do meu pai, que tem tatuagens e segundo pelo fato de ter crescido nos anos 90, um momento de boom das tatuagens”, recorda.

Assim como Anselmo, Kauam conta que também aprendeu praticando. “Eu aprendi tatuando, até porque o meu trabalho é completamente manual, o handpoke, uma técnica onde a imagem é feita ponto a ponto, manualmente e conversando com profissionais mais velhos, sempre converso muito com as pessoas que me tatuam, peço dicas. Tenho 9 mas se pudesse faria uma a cada semana”, vibra.

Paixão pela arte de expressão
Bruna Costa, que é maquiadora e designer de sobrancelha, tem 13 tatuagens e também conta que a paixão começou ainda na infância.
“Desde pequena, achava o máximo as pessoas que tinham várias tatuagens no corpo com desenhos, todo preto, colorido, grande ou pequeno, alguma homenagem ou frase. Gosto de tatuagem que tem um significado, pois diz muito o que a pessoa é ou o que ela está vivendo ou viveu. É uma oportunidade para eternizar um momento na pele. Todas que tenho me representam e fazem parte do meu estilo. A maioria delas eu desenvolvi a ideia e levei até o tatuador para bolar o desenho. Ter tatuagem é viciante e a gente quer sempre mais”, garante.

A maquiadora disse que apesar de reconhecer uma grande evolução, ainda existe preconceito. “Já passei por uma situação constrangedora em uma padaria. Fui mal atendida por uma senhora que ficava no caixa, ela estava sempre sorridente com os clientes até chegar na minha vez. Ela olhou para meu braço e automaticamente fechou a cara e me tratou mal, foi bem mal educada” lamenta.
O design de moda Tiago Estigarribia Borges tem quatro tatuagens e comemora por nunca ter sido vítima de preconceito. “Nunca passei por nenhum problema. As pessoas ainda me dizem isso quando digo que quero me tatuar mais, falam que eu não vou conseguir emprego em determinadas firmas porque tenho tatuagens. Mas graças a Deus eu estou no meio da moda, onde tatuagem é quase um cartão de visita. Mas na real, eu acho isso uma maluquice. Quem é que não gostaria de trabalhar com alguém descolado?”, diverte-se.

Tiago revela que das quatro tatuagens que tem, duas foram feitas ainda quando ele era menor de idade. “Vou fazer mais uma amanhã. Meu interesse começou mesmo com a ideia de marcar no meu corpo com as coisas que eu amo e fixar. Também porque era uma parada meio proibida e carregada de preconceito, as coisas mal compreendidas sempre me chamaram muito atenção. Mas a primeira vez que entendi o que era uma tatuagem foi quando vi meu pai com um coração imenso no braço, toda “trashzona”. Cada uma das minhas tem um significado muito especial, o nome da minha mãe, um apelido que marcou uma época, e um corpo masculino nu. Essa do corpo é a mais especial de todas, ela foi feita por um amigo, o Kauam, que estava começando a tatuar, o desenho é autoral e foi feito em casa. Eu escolho o desenho com coração, mas amo tanto me tatuar que faria qualquer coisa, menos nome de namorado”.
Cuidados pós tatuagem

Anselmo Custódio Simões alerta sobre os cuidados que devem ser tomados para quem quer fazer uma tatuagem.”Qualquer um pode fazer desde que não sejam gestantes ou pessoas com imunidade baixa. Depois de pronta, a tatuagem precisa de uma boa assepsia e eu recomendo o uso de pomada cicatrizante três vezes ao dia, além de lavar sempre que for usar a pomada, isso se repete por cinco dias em média ou até a tatuagem estar totalmente cicatrizada. Neste período é necessário evitar banho de mar, piscina e sol nos primeiros 20 dias. Caso formar casca não é recomendado arrancar e nem coçar no local da tatuagem. Os cuidados pós-tatuagem são muito importantes para um bom resultado”.

“Para fazer uma tatuagem é necessário se atentar aos procedimentos básicos como higiene, agulha individual e uma boa tinta. Os cuidados com a higienização devem começar no espaço que a tatuagem é feita, da pele da pessoa que vai ser tatuada. É importante reforçar que as agulhas não podem ser reutilizadas. Uma dica também é que é importante conhecer e entender um pouco o trabalho do profissional ou estúdio que a pessoa escolher para tatuar. Cada profissional tem uma tendência estética e um estilo próprio. No pós-tatuagem existem várias recomendações e eu oriento além das pomadas e cremes, lavar todos os dias com água e sabão e em seguida passar óleo de coco depois”, completa Kauam Pereira.

Previous Artista plástico sergipano faz sucesso internacional
Next Amendoim sergipano: único