Dietas da moda com consumo de gorduras e proteínas com baixa ingestão de carboidratos fazem sucesso


Nutrólogo Bruno Albuquerque explica os benefícios das dietas e faz alerta

O sobrepeso e a obesidade cresceram muito na última década e a população deve ficar alerta aos riscos. De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) a obesidade no Brasil passou de 11,8% para 18,9% nos últimos 10 anos. O excesso de peso também subiu de 42,6% para 53,8% no período. Ou seja, a cada cinco pessoas, um está obeso e mais da metade da população está acima do peso. Isso reflete diretamente na saúde do cidadão. Ainda segundo a Vigitel, o diagnóstico médico de diabetes passou de 5,5% para 8,9% e o de hipertensão de 22,5% para 25,7%.

Os números são alarmantes e, para fugir das estatísticas, os brasileiros têm procurado diversas formas para se cuidar. Além da prática de exercícios físicos, estão aderindo cada vez mais às dietas da moda que liberam o consumo de gorduras e de proteínas e veta a ingestão de carboidratos, são elas: jejum intermitente, low carb e cetogênica.

“Jejum intermitente é um método alimentar de alternar horas de jejum com horas de alimentação. O mais comum é o 16/8 (16h de jejum, seguidos por um intervalo de 8h onde estão liberadas as refeições), é uma estratégia que cientificamente melhora a resistência à insulina, pressão arterial e favorece a perda de peso. A dieta low carb é um método em que se reduz o consumo de carboidrato, aumentando o consumo de proteínas e gorduras e é bastante utilizado para emagrecimento, em geral pelo seu rápido resultado, e a cetogênica é a dieta composta por cerca de 70% de gordura, 25% de proteína e no máximo 5% de carboidrato. Nessa dieta, o organismo passa a usar os corpos cetônicos para formação de energia e não mais a glicose”, explica o nutrólogo Bruno Albuquerque Franco.

Qual é o método mais eficaz?
O nutrólogo explica que cada caso é diferente e cada dieta tem os seus benefícios próprios e dificuldades. “Vai depender do objetivo de cada um. O jejum nada mais é que um método de alimentação, não uma dieta. No jejum podem ser aplicadas as variadas dietas: cetogêica, low carb ou paleolítica. Jejum é um método prático para pessoas que já têm hábitos alimentares mais próprios de determinados horários interessante para emagrecimento quando associado a uma dieta que permita isso, todavia não é interessante para ganho de massa muscular. Dieta cetogênica é de mais difícil adaptação, pelas sensações de cansaço, esgotamento, hálito cetótico que causa nas primeiras semanas. É eficiente para perda de peso, porém muito discutível para desempenho esportivo”, explica.

Questionado se é saudável deixar de consumir carboidratos, Bruno Albuquerque alertou que é necessário tomar alguns cuidados quando houver a restrição de algum grupo alimentar.

“Cada um desempenha papeis fundamentais no organismo. Assim, dietas low carb podem prejudicar o bom funcionamento do sistema de defesa e causar sintomas como tonturas, dor de cabeça, desidratação, fraqueza e intestino preso. Além de propiciar episódios de compulsão alimentar, devido à ansiedade. Acredito que variar o tipo de dieta seja mais saudável do que submeter o organismo a uma única forma de alimentação”, recomenda.

Bruno explica que qualquer pessoa pode fazer dieta com acordo com as necessidades de cada um mas é necessário ficar atento aos cuidados. “É indispensável consultar profissionais habilitados, como médicos e nutricionistas, para orientar a melhor forma de se alimentar de acordo com a sua individualidade. Seguir dietas virtuais, simples modinhas, ou a dieta do vizinho pode expor a saúde a riscos muitas vezes inimagináveis”, garante.

Novos hábitos
A jornalista Marina Fontenele casou com o médico Marco Antônio em março deste ano. O casal resolveu mudar hábitos para perder peso rápido para fazer bonito no casamento e o resultado foi comemorado.

“Em dois meses perdi 7kg e meu marido perdeu 30kg em 3 meses. Fizemos low carb bem restrito nesse período, já que tínhamos pressa no resultado por causa do casamento. Associamos ao jejum intermitente diário na modalidade leangains, de 16 horas. Com isso, baixamos os níveis de insulina, o que estimulou a cetose e a queima de gorduras. Foi um aprendizado para a vida porque hoje tenho mais consciência da importância de uma alimentação mais equilibrada e natural. O low carb e o jejum melhoraram muito minha necessidade diária por doce, eu aprendi a dizer não sem sofrer e emagreci comendo delícias e sem exercício. Depois de tentar dezenas de métodos, foi o que eu mais me adaptei. As primeiras duas semanas são mais puxadas porque o corpo sente abstinência do açúcar, que é um vício” orgulha-se Marina.

A contadora Amanda Santos também está comemorando os resultados, em apenas quatro meses eliminou 17Kg de gordura.

“Conheci a cetogênica há um ano e em seguida fui buscar orientações de um profissional. Comecei a fazer o método em dezembro e estou muito feliz com o resultado já alcançado. No início perdi 6Kg em duas semanas e isso me deixou maravilhada. A cetogênica no início é desconfortável, pois até levar o corpo a cetose passamos por reações desagradáveis, tipo cinco dias de enxaqueca, entretanto, ela é bastante saciável. Ainda não alcancei meu objetivo mas continuo seguindo as orientações do nutrólogo Bruno e sigo protocolos que ele me passa, que alterna em low carb e cetogênica. Estou com 75kg e minha meta é chegar aos 68kg, falta pouco”, vibra.

Previous Comerciantes apostam no Dia das Mães para driblar a crise
Next Conexão Venezuela: TAC entrevista refugiada