Los Apollos defendem a arte circense e apresentam projeto ‘Circo na Escola’


Dia do Circo é comemorado nesta terça-feira

O Dia Nacional do Circo é comemorado nesta terça-feira, 27 de março. A data foi batizada em 1987 em homenagem ao saudoso Abelardo Pinto, o Palhaço Piolim, engajado com os movimentos artísticos e culturais no Brasil. A arte circense resiste ao tempo, continua atraindo toda a família para o circo e a diversão é garantida. Comemorando 40 anos, o grupo Los Apollos, formado pelos irmãos Manoel, Jeferson e Neidson, continua se apresentando com a mesma energia do início da carreira e neste ano criou o projeto Circo na Escola. O circo dos irmãos está montado em Nossa Senhora do Socorro com programação especial nesta semana.
“O palhaço Piolim merece esta homenagem no dia que fazia aniversário porque ele estava sempre preocupado em divulgar a arte como forma de expressão de seu povo, no começo do século XX. Piolim foi laureado pelos intelectuais da Semana de Arte Moderna, que eram Tarsila do Amaral, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Anita Malfatti, em 1922, como o maior artista popular brasileiro”, recorda Manoel Brito, pai dos irmãos Los Apollos.

A família é cearense e Manoel já nasceu dentro do circo. Seu pai era o palhaço Javem, que era dono do Circo Transmundial e morreu aos 115 anos. “Sempre respirei a arte circense e queria ver meus filhos seguindo o mesmo caminho. Meus irmãos faziam um número muito bonito de acrobacia e eu treinei meus três filhos para fazer uma imitação deles, na época eles tinham, 8, 9 e 10 anos, no fim da década de 70. Foi um sucesso no circo e assim nasceu o grupo Los Apollos”, orgulha-se.
Sucesso
O grupo Los Apollos passou a ser a maior atração do Circo Transmundial, ainda em Fortaleza. “A acrobacia deles era perfeita e logo se destacaram como o melhor trio de parada olímpica. O sucesso foi tão grande que deixamos o circo do meu pai e aceitamos o convite para integrar o elenco do Grand Bartolo Circo que continua sendo um dos maiores do Brasil”, conta Manoel Brito.

Em seguida o grupo se apresentou em todos os estados do país no Circo Moscou, Circo Garcia, Tiane e Circo Vostok. Em 1988, os irmãos foram convidados para participar de uma gravação do Xou da Xuxa, na Rede Globo, e agradou a apresentadora. No ano seguinte eles foram contratados para fazer parte do programa e seguiram a rainha dos baixinhos.

“A arte circense não pode morrer nunca. Fiquei impressionada com a perfeição das acrobacias do grupo e fiz o convite. A Xuxa brincava no palco de fazer acrobacias com eles e a diversão era muito grande. Os irmãos integraram o elenco fixo do Xou da Xuxa e se apresentavam em todas as turnês da Xuxa, inclusive em diversos países. Eles chegavam a fazer mais sucesso do que cantores que estavam no auge da carreira na época. Lembro que na Argentina eles ofuscavam muitos artistas brasileiros”, recorda a ex-diretora do Xou da Xuxa, Marlene Mattos.
Carreira
O Xou da Xuxa alavancou a carreira do grupo que seguiu após o fim do programa. “O programa nos promoveu em 12 países e em emissoras de televisão da Argentina, México, Uruguai, Chile, Paraguai e Espanha. O programa acabou em 1992 e continuamos nosso trabalho em circos e na televisão. Fizemos participação em programas da Globo, Record, SBT e Band”, disse Jeferson.

“Amamos estar no picadeiro e fazemos de tudo para agradar e divertir o público. Interpretamos personagens com a missão de levar cultura e entretenimento para toda a plateia. Deixamos os problemas em casa e não permitimos que nada estrague a magia da nossa apresentação e os aplausos são o nosso maior incentivo para seguir. É muito gratificante receber esse carinho. Um momento que marcou muito para mim foi a nossa participação no Festival Internacional do Circo, em São Paulo, quando fazíamos parte do Circo Beto Carrero”, vibra Neidson.

Manoel se transforma no Palhaço Ligeirinho e fez parte da primeira formação do Comando Maluco do Beto Carrero. “Ser palhaço é maravilhoso e as pessoas me confundem com o personagem. Sempre que me reconhecem nas ruas pedem para eu contar piada. O palhaço é a cara do circo e deve se manter sempre mas infelizmente algumas pessoas que nem são artistas se fantasiam de palhaço e decepcionam quando falam muitos palavrões e perdem o brilho da essência do personagem. O palhaço deve ser leve e divertido, sem maldade para manter a tradição”.
Cidadãos sergipanos
Os irmãos se mudaram para Sergipe no início dos anos 2000 e assumiram o comando da programação artística do Hotel Fazenda Boa Luz até o ano passado.

“Construímos nossas famílias aqui e somos muito felizes. Nos consideramos cidadãos sergipanos. Continuamos levando a nossa arte e recebendo o carinho do público. Nossos filhos participam também dos espetáculos e nos orgulhamos muito. São talentosos e estamos mantendo a tradição da família, além disso é uma honra poder continuar levando a nossa arte para as crianças, adultos e idosos”, comemora Jeferson.

O Circo Los Apollos está montado no Conjunto Marcos Freire II, em Nossa Senhora do Socorro, com programação especial nesta semana em homenagem ao Dia do Circo.

Circo na Escola
O grupo iniciou 2018 com o projeto ‘Circo na Escola’ com o objetivo de levar entretenimento resgatando e valorizando a cultura da arte circense para as escolas de todo o estado de Sergipe. O espetáculo tem duração de uma hora e pode ser apresentado também em festas de aniversários e eventos culturais.

O espetáculo do projeto ‘Circo na Escola’ garante a diversão das crianças e transforma o colégio em picadeiro com os tradicionais números de acrobacias com saltos com paradas clássicas e olímpicas feitas pelos irmãos. A apresentação conta ainda com a alegria dos palhaços Ligeirinho e Mister B, mágico trapalhão, malabarista, dubladores, as princesas Ester e Rebeca, acrobatas mirins e o público confere ainda as peripécias da Turma do Chaplin com o menor zorro do Brasil.

A trilha sonora conta com sucessos de Xuxa, Mara Maravilha, Angélica, Sandy e Júnior, Balão Mágico, Trem da Alegria, e Mamonas Assassinas, garantindo um espetáculo muito animado com mensagens educativas e de esperança.

“Estamos trazendo para as crianças um espetáculo bonito e é um momento nostálgico para nós onde recordamos bons tempos quando fizemos sucesso ao lado da Xuxa. Apresentamos números circenses com a segunda geração do Los Apollos, nossos filhos também participam e é um momento família.

Previous Imposto de Renda 2018: Contribuintes devem ficar atentos ao prazo
Next Pesquisa TAC traz a percepção de clientes sobre atendimento em Aracaju