Rasgadinho se transforma em ‘Festival Brasileiro de Ritmos’ e deve reunir dois milhões de foliões


Festa vai ser comanda por dezenas de atrações nas ruas do Centro de Aracaju

O bloco Rasgadinho expandiu e neste ano se transformou no ‘Festival Brasileiro de Ritmos’ com realização da Associação Cultural Rasgadinho (Acra). A festa que vai ser comandada por dezenas de atrações locais e nacionais começa nesta sexta-feira (9) e segue até a terça-feira (13). A expectativa da organização é que o festival reúna cerca de dois milhões de foliões durante os cinco dias.

De acordo com César Viana, presidente da Acra, os sergipanos e turistas que optarem por curtir o carnaval em Aracaju irão usufruir de um novo conceito de festa com estrutura maior, mais comodidade e segurança. “O novo modelo do carnaval de Aracaju foi inspirado no de divulgação e promoção de eventos praticados pela FIFA. O Festival Brasileiro de Ritmos é financiado pela iniciativa privada, mas os governos Federal, Estadual e Municipal estão juntos nesta causa”.

A lista das atrações selecionadas através de um edital que vão comandar a festa foi divulgada pelo Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult). O ‘Festival Brasileiro de Ritmos – Rasgadinho 2018’ vai ser agitado por artistas locais e nacionais, entre eles: Mestrinho, Karina Buhr, Mariene de Castro, Cidade Negra, Xande de Pilares, Fernanda Abreu, Melanina Carioca, Thais Nogueira, Balança Eu, Erivaldo de Carira, Casaca de Couro, Lourinho do Acordeon, Sena e o forró da Serra, Antônio Carlos Du Aracaju, Zé Tramela, Los Guaranis, Medeiros Orquestra, Água de Cheiro, Estação da Luz, Água Viva, Big Bang, Orquestra Cajuína e Tonho Baixinho.

Pratas da casa
O festival valoriza os artistas da terra e vai contar com mais de 10 atrações sergipanas entre elas a banda Zé Tramela.

“Estamos bem ansiosos. Nunca fizemos forró em uma festa de carnaval. Nessa época. Colocar um palco de forró, no meio do carnaval é uma grandeza cultural gigante. O forró faz parte da nossa cultura e da nossa história. Então a galera da Zé Tramela está bem curiosa e muito feliz. Nosso repertório é bem tradicional mas nesse show a gente vai caprichar nos arrasta-pés que é para a galera não perder o clima da folia e, claro, xote, xaxado e baião. Tenho certeza de que todos vão dançar muito o nosso forrozinho”, vibra o cantor Tuka Veloz.

A banda Balança Eu também está na programação. “Vamos fazer a nossa estreia nos apresentando em um trio elétrico. É um desafio muito bem vindo que abraçamos e estamos empolgados. Vamos fazer um arrastão com um show bem dançante e alto astral com o autêntico forró no domingo. O repertório foi preparado especialmente para o evento e vai contar com muitos galopes, baião, xote e arrasta-pé. Vamos levar algumas participações especiais como o cantor Luiz Fontenele”, adianta o vocalista Alberto Marcelino.

Mistura de ritmos
A festa do momo da capital vai fazer uma mistura de ritmos e promete reunir todas as tribos com artistas consagrados no país como a baiana Mariene de Castro que vai apresentar o show ‘Ribeirinha’, seu trabalho mais novo que fortalece as matrizes culturais por meio de seu canto e compartilha sua história de vida.
“Vai ser um show incrível em Aracaju onde vou fazer uma travessia pelos momentos mais importantes da minha carreira, desde 1998, quando fiz o primeiro show, passando pela carreira internacional, os álbuns, os principais prêmios até os dias de hoje”, adianta.

No palco, Mariene vai reverenciar músicos que passaram por ela em diferentes momentos da carreira, como André Souza, Da Lua, Dirceu Leite, João Carlos Coutinho, Jorge Helder, Marçal e Pedro Franco. “Eu tenho uma admiração por essas pessoas, um respeito pelo trabalho de cada um. Ribeirinha é um fôlego, um respiro, uma energia, um chamado à música brasileira”, diz a artista.

As mudanças
A festa continua gratuita e democrática mas as principais mudanças ocorrem nos palcos, do principal aos alternativos, que ficavam distribuídos na Avenida Pedro Calazans. Os quatro palcos foram redistribuídos na Avenida Barão de Maruim, na extensão entre a Praça da Bandeira e a Rua Santa Luzia. Os acessos principais para esta área estarão na Avenida Gonçalo Prado. “Optamos por realizar todos os shows na Barão de Maruim por ser bem mais ampla e, desta forma, acomodar melhor os participantes”, frisou César Viana.

Este ano, a Pedro Calazans será utilizada como concentração dos trios elétricos e dos foliões. Foi montada ao longo do mesmo trajeto uma grande área de convivência para os participantes, que conta com arquibancadas, lounges e praças de alimentação. A festa vai começar às 9h com a apresentação de DJ’s que estarão nas duas estações montadas nesta área de concentração.

O trajeto que será feito pelos trios elétricos durante o desfile também foi modificado. O desfile dos trios ao longo dos 4,5 Km de extensão e que terá início às 14h, começa na Avenida Pedro Calazans, segue pela Avenida Hermes Fontes, acessa a Avenida Edézio Vieira de Melo, fará o retorno para o sentido contrário da Edézio Vieira também na altura da Rua Leonel Curvelo, adentrará na Avenida Hermes Fontes e seguirá para a dispersão, na Praça da Bandeira.

O desfile contará com três trios elétricos, e cada um deles possuirá um tema. O trio principal terá atrações que vão tocar de tudo um pouco; o segundo trio será destinado exclusivamente ao forró, homenagem ao principal expoente da nossa cultura; e o terceiro será para os amantes do samba. Em cada um deles e também nos palcos haverá sempre a apresentação de artistas com reconhecimento nacional e artistas locais.

Previous Festival Veggie acontece em março
Next Crianças com diagnóstico de cura celebraram a vida e a vitória na luta contra o câncer