Ouvidoria da GMA funciona em prédio sem acessibilidade


Um local que recebe manifestações positivas e negativas da população sobre um serviço público deve garantir que toda e qualquer pessoa tenha acesso a ele. No entanto, não é o que a Guarda Municipal de Aracaju (GMA) oferece aos aracajuanos.

A Ouvidoria da guarda foi transferida, em junho de 2017, do Centro Administrativo da Prefeitura para o Diário Oficial do município. Localizado na rua Simão Dias, o prédio não oferece qualquer acessibilidade às pessoas que possuem alguma dificuldade para se locomover. Uma escada estreita e externa leva a uma sala onde funciona a Ouvidoria no 1º andar do imóvel que, já na portaria, oferece dois degraus como obstáculo aos deficientes físicos e idosos.

Além da dificuldade para acessar o interior do prédio, a rua é de difícil acesso. Pouquíssimos ônibus passam pela região que, apesar de ser considerada Centro de Aracaju, é mais afastada dos principais pontos de referência da região. Além disso, na semana em que a reportagem do CINFORM foi até o local, diversas reformas nos imóveis da rua Propriá obrigavam os pedestres a andarem pela via, dividindo espaço com os veículos e correndo o risco de se envolver em um acidente.

Camila Gomes Soares, ouvidora geral da GMA, afirma que a população possui outros canais para enviar as suas manifestações, não sendo obrigados a ir até o local. No site da Prefeitura de Aracaju [www. aracaju.se.gov. br], a população pode enviar elogios, denúncias, sugestões, reclamações e solicitações através do Sistema de Ouvidoria e Gestão Pública (TAG). Os outros canais de reclamação são os telefones 3124-1343 e 981351453 (Whatsapp) e o e-mail [email protected] aracaju.se.gov.br. Mas quem não tem acesso à internet ou telefone, pode ir até o prédio da Ouvidoria na rua Simão Dias, nº 650, das 8h às 12h e das 14h às 17h.

Segundo informações da própria Ouvidoria, no último semestre de 2017, as principais queixas apresentadas pela população eram de atuação inadequada e de constrangimento ilegal por partes dos guardas municipais de Aracaju, somando 25% das denúncias feitas entre julho e dezembro.

Camila Soares explica que todas as denúncias recebidas são encaminhadas para a Corregedoria da Guarda. “Aqui nós recebemos toda e qualquer manifestação da população, mas não podemos punir ou aplicar qualquer sanção aos guardas. Isso é papel da Corregedoria”.

Criada em 1990 através da Lei Municipal Nº 1.659, a Guarda Municipal de Aracaju tinha como competências iniciais fiscalizar e vigiar bens de domínio público, o patrimônio natural e cultural do Município. No entanto, a partir de 2011, a Guarda ganhou poder de polícia e passou a atuar de maneira mais ostensiva na capital sergipana, realizando prisões, patrulhamentos em festas e manifestações.

 

Como nossos Deputados Federais votarão na Reforma da Previdência

Seguradoras transferem responsabilidades para ressegurador

Previous Como nossos Deputados Federais votarão na Reforma da Previdência
Next Ensino de robótica amplia horizontes dos estudantes