Caminhada da Paz vai reunir líderes municipais de Lagarto


Presidente da Câmara de Vereadores de Lagarto estará presente

Visando sensibilizar a população para a não-violência na cidade de Lagarto e em todo o estado, acontece a segunda edição da Caminhada da Paz. O evento será realizado no dia 4 de fevereiro às 8h da manhã, na Praça da Igreja Matriz. Líderes municipais estarão presentes no intuito de apoiar a campanha.

O Presidente da Câmara de Vereadores de Lagarto, Ibrain Monteiro (PTC), é um dos políticos que abraçaram a causa. Para ele, a caminhada vai chamar atenção dos sergipanos no que diz respeito a segurança pública do estado. “Vamos sensibilizar a população para o desgoverno. Sergipe é um estado pequeno e um dos mais perigosos do Brasil. O governo deve dar mais qualidade de trabalho para os policiais. Aumentar a quantidade deles no município. São cerca de 119 povoados em Lagarto e pouquíssimas viaturas atuando”, declara.

Uma das organizadoras da caminhada é a pensionista militar Cenilde Pereira, conhecida como Cecé de Loiola, que também realiza projetos sociais com a comunidade de Lagarto. Para ela, o poder público deve andar junto com a sociedade. “Não adianta só a polícia prender o indivíduo, porque ela cumpre o seu papel, mas com dois ou três dias solta os  indivíduos. Nós que colocamos os deputados na Assembleia e na Câmara, temos que lutar para fazer um novo projeto a favor da segurança pública”, declara.

Para o estudante João Batista (Jhon) da Central dos Grêmios Livres, uma das organizadoras do evento, trabalhar a sensibilização nas escolas é o principal passo para garantir a segurança pública. “O nosso enfoque é trabalhar nas escolas a sensibilização para a não-violência através de fóruns de debates com os alunos. Queremos atingir não só os lagartenses, como todos os sergipanos”, relata.

A professora Jessica Santos também é idealizadora da caminhada. Ela acredita que a participação da sociedade mostra que estão engajados no combate à violência no estado. “O fato das pessoas estarem lá é de extrema relevância. A violência é algo que interfere no nosso bem-estar e na nossa qualidade de vida. Esperamos que consigamos mais reforço policial, melhores condições nas rodovias, em termos gerais, que possam ser trabalhadas possibilidades para amenizar nosso sentimento de insegurança”, afirma.

Previous Bagunça na Fundação Renascer
Next Quando o emprego é sinônimo de igualdade e inclusão