Promotora Luciana Duarte sofre ameaça do irmão de Agamenon Sobral e se afasta das investigações


A  promotora de Justiça, Luciana Duarte, foi ameaçada pelo Sr. Robson,um dos irmãos “fantasma” do ex-vereador de Aracaju, Agamenon Sobral, através de mensagem de texto: Foi extraída do celular LGK10, telefone 0° 79 98816,6557 da promotora, enviadas pelo celular n°79 99868-4761 de Robson Sobral

“Vc foi irresponsável ao desligar o telef e lhe digo mas

se vc é. Quem disse ser vc deveria ser intelijente

“Não tenho medo de ameaça venha cara a cara”

“Quando vem por telef é por têm medo”

 

Cumprindo o seu dever de investigar na Operação Caça-Fantasma, a promotora não se intimidou e respondeu ao Sr. Robson Sobral:

Contenha-se, Sr. Robson. O senhor está se
dirigindo a uma Promotora de Justiça.
Essas ameaças serão apuradas em
procedimento próprio. (GAECO)

Eu não te ameacei. Não sei quem está
falando pq a ameaça veio desse telefone
Inclusive desligaram o telefone quando eu
estava falando (Robson)

Se a senhora é promotora de justiça a
senhora tem meu endereço venha me
intime que eu compareço obrigado fica
com deus (Robson Sobral)

Luciana Duarte relatou a situação vivenciada por ela ao promotor Luiz Alberto Moura Araújo, chefe do Gabinete de Segurança Institucional do Ministério Público de Sergipe:

“Trata-se de investigação criminal instaurada pelo Ministério Público Estadual para apurar a prática de peculato e outros crimes por parte do ex-Vereador AGAMENON FREFAS SOBRAL e seus familiares, entre os quais seus irmãos EDGAR SOBRAL FREITAS e ROBSON SOBRAL FREITAS.

No curso das investigações, diante da dificuldade desta Promotoria de Justiça de localizar o investigado Agamenon Sobral para ser notificado e ouvido, esta Agente Ministerial signatária, usando a linha de telefone movei do GAECCO – Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas, discou para o número de telefone celular do irmão do ex-vereador, ROBSON SOBRAL FREITAS, que já havia sido ouvido nos autos, para solicitar o endereço do irmão não localizado.

A ligação foi feita no viva-voz, como de praxe, na presença do Analista do MPSE JOSÉ LUCAS SANTOS CARVALHO, e do policial civil FABIO MANGUEIRA DA CRUZ, lotado no G,AECCO. Esta Promotora de Justiça, após se identificar, solicitou ao Sr. Robson colaboração no sentido de localizar o irmão para ser notificado. Para surpresa, ele apresentou postura descontrolada, começando a gritar ao telefone, de maneira, intimidadora, tendo esta Promotora de Justiça encerrado imediatamente a ligação para evitar problemas.

Na sequência, narra a promotora, esta Agente Ministerial, usando-se da mesma linha telefônica e na presença dos mesmos servidores públicos telefonou para o outro irmão do ex-Vereador,
EDGAR SOBRAL FREITAS, que, cordialmente, comprometeu-se a entrar em contato com
o irmão. Alguns minutos depois, igualmente de forma polida, o proprio Agamenon Sobral retornou a ligação e pactuou com a Promotora de Justiçasque compareceria na sede do MPSE na data de hoje, as 11 horas, para ser ouvido.

Para a surpresa desta subscritora, porém, na noite de ontem, foi contatada pelo policial do GAECCO, que 4111 estava na posse do aparelho celular usado mais cedo, sobre mensagens SMS com conteúdo ameaçador enviadas pelo Sr. Robson, às 20:50, 20:51 e 20:52, respectivamente, com o seguinte teor:

Vc foi irresponsável ao .desligar o telef e lhe digo mas se ve é.
Quem disse ser V. C deveria ser intelijente”
“Não tenho medo de ameaça venha cara a cara”
“Quando vem por tel.ef é por têm medo”

Diante de tal conduta audaciosa, desrespeitosa e criminosa do investigado ROBSON SOBRAL FREITAS, esta Promotoria de Justiça acionou o GSI — Gabinete de Segurança Institucional do MPSE, para que sejará adotadas as medidas necessárias à apuração criminal da conduta em tela, Entrementes, em razão dessas fatos, por não se sentir mais confortável e nem imparcial. em relação à condução das investigações que tramitam nos autos, declara-se suspeita para atuar no feito.

Previous Pastor Heleno Silva tem bens bloqueados pela justiça
Next Delegado revela que policial militar assassinou um flanelinha