PC do B bate cabeça na Câmara. Isaac e Bitencourt não se entendem


O problema entre a Prefeitura de Aracaju e o Hospital de Cirurgia ganhou repercussão na Câmara de Vereadores da Capital. Uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) foi proposta pelo vereador Isaac Silveira (PC do B), mesmo partido do prefeito Edvaldo Nogueira, para investigar a crise entre a administração municipal e os hospitais filantrópicos. O presidente da Câmara de Vereadores de Aracaju, Nitinho Vitale (PSD) informou que amanhã, 19, irá ler em plenário e pôr em votação o requerimento da CPI. O autor do requerimento foi o vereador Isaac Silveira (PC do B), que conseguiu doze assinaturas a favor da CPI.

“Eu propus a CPI dos hospitais filantrópicos, porque há uma crise instalada entre a administração municipal e o Hospital Cirurgia, o que se contrapõe é que a prefeitura fala que pagou a mais, que tem crédito. Já o hospital diz que está a menos, que tem serviço prestado e não recebeu, portanto, não se chega a uma conclusão. Nós queremos investigar quem de fato está com razão, porque quem sofre é a população de todo o estado, em especial, de Aracaju”, enfatizou Isaac Silveira.

Isac defende a instalação da CPI e explica que não é para investigar o prefeito, e sim investigar um problema que aflige a sociedade. De acordo com ele, a Comissão Parlamentar de Inquérito é um instrumento que deve ser usado para apurar casos graves como o que ocorre na saúde. Isaac relembra também que requerimentos, audiências públicas e sessões especiais foram realizadas, mas não se chegaram a um acordo.

“A informação é que o Estado passará a administrar essa questão do convênio a partir de janeiro, mas isso não implica dizer que os problemas cessaram. A CPI é nesse viés. O desgaste que eu sofro com o prefeito é uma relação minha com ele. Eu tenho que responder à população que me elegeu, cobrando que eu agisse com transparência. A opinião deles é que a CPI não tem o condão de resolver, eu aceito a argumentação, eu tenho que respeitar, mas tenho o entendimento diverso, não vejo outro instrumento que esse parlamento possa utilizar que não seja a Comissão Parlamentar de Inquérito” relata.

Recentemente, o autor da CPI da Saúde fez uma postagem em sua rede social enaltecendo os vereadores que votaram a favor do requerimento. “estes sim são a favor de uma saúde de qualidade para todos os aracajuanos.” Alfinetou os demais parlamentares, dando a entender que o vereador que deixou de votar a favor da CPI não se preocupa com a saúde do município.

“Minha assessoria de imprensa escreveu essa frase. Não quis diminuir os demais vereadores, queria ressaltar a participação dos que assinaram a favor do requerimento. Quando eu falo que você é uma ótima jornalista, por exemplo, eu não estou dizendo que os demais jornalistas não são, eu quero enaltecer seu trabalho, é a mesma coisa”, pontua Isaac.

PCdoB DIVIDIDO

O líder do prefeito na Câmara, professor Antônio Bittencourt (PC do B), rebateu a crítica do vereador, dizendo que tudo que foi dito e escrito por Isaac foi um equívoco, um erro, uma postagem desnecessária e infeliz. Bittencourt sustentou que o fato de divergir dele nessa atitude, não coloca em risco a credibilidade, o respeito e o alinhamento que tem por Isaac. No entanto, afirmou que não instituiria uma CPI por manter a coerência no discurso que tem colocado em relação a qualquer outra CPI apresentada na Câmara.

“Depois do meu pronunciamento, o vereador Isaac foi à tribuna elegantemente me pedir desculpa, ele também pediu que a assessoria retirasse a publicação da rede social. A CPI é um recurso extremo que o parlamento pode utilizar para tratar de qualquer tema da administração ou do próprio parlamento. Antes desse recurso extremo, é preciso vencer uma série de etapas que nesse caso particular não foi vencido”, propõe o líder.

Ainda segundo Bittencourt, após a coleta de assinaturas dos vereadores existiram acontecimentos que fragilizaram o argumento da CPI. O vereador afirma que houve uma sessão especial, tratativas entre o Ministério Público Federal e Estadual, Secretarias da Saúde do Estado e do Município e hospitais filantrópicos.

“Acho que existiu durante muito tempo no Hospital Cirurgia uma gestão pouco cuidadosa. A administração atual está tentando fazer diferente. A própria cessão da administração do Cirurgia para o Governo do Estado é um avanço nesse sentido, tendo em vista que o hospital acabava sendo retaguarda do Huse, porque atendia muita gente do Interior e da Capital”, concluiu.

Votação

Votaram a favor da CPI os vereadores: Américo de Deus (Rede), Anderson de Tuca (PRTB), Bigode do Santa Maria (PMDB), Cabo Amintas (PTB), Élber Batalha (PSB), Emília Corrêa (PEN), Iran Barbosa (PT), Isac Silveira (PC do B), Jason Neto (PDT), Kitty Lima (REDE), Lucas Aribé (PSB) e Seu Marcos (PHS).

Previous Danilo Almeida, filho do secretário da saúde, era "fantasma" na Casa Civil
Next Quadrilha que roubava bancos e carros fortes foi desartiulada