Juiz Alexandre Magno não vai liberar Ana Alves para ser medicada em clínica particular


O juiz da 2a. Vara Criminal, Alexandre Magno Oliveira Lins, em resposta ao ofício protocolado pela diretora do Presídio Feminino, Andrea Fernanda Andrade relatando que a jornalista Ana Alves está fazendo greve de fome e recusando-se a tomar medicamentos na hora certa, correndo o risco de ter uma descompensação metabólica, proferiu um despacho afirmando que a situação não vai mudar.

De acordo com a decisão do magistrado o processo segue o rito normal: “Analisando o teor do documento retro, constato não demandar providências por parte deste juízo, razão pela qual determino, mais uma vez, que se aguarde em cartório a remessa do procedimento investigatório no prazo legal”, decidiu o magistrado.

Em outras palavras, o juiz Alexandre Magno que já enviou informações ao desembargador Diógenes Barreto, presidente da Câmara Criminal não irá adotar nenhuma providência no sentido de liberar a jornalista para ser atendida em uma clínica particular ou reconsiderar a sua decisão e converter a preventiva em prisão domiciliar.

Alexandre Magno vai aguardar a manifestação da Câmara Criminal que julgará o mérito do pedido de liberdade da jornalista Ana Alves.

A defesa de Ana Alves protocolou uma petição requerendo que o juiz reconsidere a decisão e converta a prisão em domiciliar, fazendo o uso de tornozeleira eletrônica. Pede ainda que em seguida revogue a prisão.

Enquanto isso, os advogados de Ana aguardam a marcação da audiência para decidir sobre o mérito do habeas corpus, pela Câmara Criminal.

QUEM É ALEXANDRE MAGNO

Baiano da cidade de Alagoinhas, o Juiz Substituto Alexandre Magno Oliveira Lins formou-se em Direito em Salvador (BA), pela Universidade Católica – UCSAL e desde 2004 atuava como Promotor de Justiça no Ministério Público Estadual da Bahia. Alexandre Magno tomou posse na magistratura de Sergipe no dia 1º. de setembro de 2011.

Previous Avenida Barão de Maruim terá trecho interditado sábado e domingo
Next EXCLUSIVO: Ana Alves sofre mais uma derrota. Desembargador nega pedido de reconsideração do habeas corpus