Acordo entre bancos e poupadores sobre as perdas dinheiro nas décadas de 80 e 90 chega ao fim


Após mais de 20 anos os poupadores de cadernetas de poupança que tiveram perdas nos quatro planos econômicos aplicados nas décadas de 80 e 90: o plano Bresser, de 1987; o Verão, de 1989 e os Planos Collor 1, de 1990 e Collor 2, de 1991, podem receber parte do dinheiro perdido logo. Um acordo foi fechado hoje entre os bancos e poupadores para encerrar quase um milhão de ações judiciais.

Os poupadores que foram afetados e estão com ação na justiça que aceitarem o acordo precisaram desistir do processo judicial. O acordo irá ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ser homologado, somente após quem tiver direito poderá regatar o dinheiro, a expectativa é que ocorra até dezembro.

O valor será calculado a partir de um “fator multiplicador” que será refletido de acordo com o valor que a pessoa mantinha na poupança durante a adoção de cada plano que possuirão um valor diferente de correção. Porém o pagamento não será integral, a depender do plano pode acontecer 40% de desconto.

A Advocacia-Geral da União mediou o acordo que durou treze meses, de um lado os poupadores reclamavam nas ações é que na hora da troca dos planos a remuneração da poupança não foi realizada da forma devida, gerando perdas, do outro os bancos dizem que seguiram as regras vigentes nos períodos.

Lava Jato: Tribunal mantém o bloqueio de R$16 milhões do ex-presidente Lula

A marca de Edvaldo Nogueira é a falta de transparência, diz Kitty Lima

Previous Desembargadores mantém condenação de construtoras que atrasaram entrega de imóvel
Next 10 dos 13 feriados brasileiros de 2018 podem ser prolongados