Vítimas do acidente da Boa Luz vão entrar na justiça para pedir indenização


Seis dos 13 formandos do curso de Enfermagem do Colégio Alternativo da cidade de Itabaiana que se acidentaram com a queda do coreto, na Fazenda Boa Luz, reclamaram da falta de assistência, criticaram o estado de abandono no Hospital de Urgência de Sergipe e garantiram que vão entrar com uma ação na justiça para pedir reparação de danos materiais e morais contra o maior complexo de turismo rural do Nordeste. Uma das vítimas, a futura técnica em enfermagem, de nome Lourdes, permanece no HUSE e deve receber alta amanhã.

Gilvanda Pereira dos Santos, que mora em Carira e faz parte do grupo, explica que os 13 alunos do curso de enfermagem foram à Fazenda Boa Luz tirar fotografias na Fazenda Boa Luz para o álbum de formatura. Com a queda do coreto Gilvanda conta que ela e mais cinco colegas de turma se feriram e sofreram múltiplas lesões. Gilvanda e Lourdes foram socorridas pelo fotógrafo e levadas para o Hospital de Urgência. Gilvanda fraturou cinco vértebras, sofreu dois cortes no pescoço e um no calcanhar. Lourdes fraturou o metacarpo (osso da mão), foi submetida à cirurgia passa bem.

Coreto desaba na hora da foto

Na hora de ir embora, após receber alta, Gilvanda admite que uma pessoa se identificou como empregado da Boa Luz e queria saber como todos estavam. Mas não disse o nome nem deixou o número do celular. Não houve encaminhamento para hospital particular como a Fazenda Boa Luz informou à imprensa. “Estamos aguardando que eles mantenham contato conosco”, disse a prima de Gilvanda, Elenilda Nascimento.

“Todos foram para o Hospital João Alves e uma das vítimas, minha prima, ficou abandonada, largada no corredor com 5 vértebras fraturadas. Não vi ninguém aparecer para dar assistência, atenção e prestar solidariedade, desabafou Elenilda.

Internautas que têm parentes que se acidentaram na Boa Luz entraram em contato com a redação do Cinform, pelo Facebook, por telefone e também através de postagem nas redes sociais do Jornal. Eles pediram para informar como os fatos aconteceram e relataram a falta de preocupação de diretores da Boa Luz.

As seis vítimas e os demais integrantes do grupo anunciaram que vão entrar na justiça para pedir indenização por danos morais e materiais. A questão sobre a queda do coreto eles disseram que não tinha nenhum aviso de proibição e o local estava sem empregados da Boa Luz por perto para alertar sobre o perigo de fazer fotografias num local onde a estrutura era muito frágil. Não tem nada cercado, não consta nenhum aviso e nada proibindo o acesso. Acredito que eles têm responsabilidade com relação aos danos causados, concluiu uma das vítimas.

Através de nota oficial, a Boa Luz lamentou o ocorrido e informou que está prestando assistência às vítimas. “Os estudantes do curso de enfermagem estavam realizando um ensaio fotográfico e subiram no coreto, que não resistiu ao peso e desabou.

Operação Navalha. Gravação telefônica revela como
era tramada a negociata com recursos públicos. Confira aqui

Emília Correia quer apuração do crime de caixa 2.
“Não irei desistir da verdade”

 

Previous IV Bienal do Livro de Itabaiana começa nesta sexta-feira
Next Fábio Reis volta aos trabalhos dentro de 15 dias, após operar o coração