Portal de Transparência do Tribunal de Contas está desatualizado e o do Governo esconde dados de 9 Secretarias


Princípio da transparência não é respeitado
e cidadão carece de informações nos dois portais

Divulgar informações referentes aos gastos de Estados e municípios, incluindo contratações, licitações, arrecadação, com detalhamento de receitas e despesas, é um dever imprescindível  dos gestores públicos para que o cidadão contribuinte e o eleitor possam ter uma ideia do que os representantes do povo nos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário estão fazendo com o dinheiro público.

A divulgação das contas públicas, inclusive por meios eletrônicos como a internet, é, acima de tudo, uma obrigação prevista pela denominada Lei da Transparência, (Lei complementar 101 conjugada à Lei 131, de 2009), legislação que tem sido diuturnamente desrespeitada pelos administradores públicos no Estado de Sergipe em todas as esferas de poder.

A referida lei complementar 101 estabelece em seu artigo 48, inciso II, com base nos princípios de publicidade e transparência dos atos públicos, a obrigatoriedade de “liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira, em meios eletrônicos de acesso público”.

O jornal CINFORM, ao verificar os portais de transparência mantidos no Estado pelo governo de Sergipe, por prefeituras municipais e pelo Tribunal de Contas do Estado-TCE, constatou que não é bem isso o que tem sido feito pelos órgãos e poderes públicos em relação à transparência de suas contas.

No Portal da Transparência do TCE sergipano, por exemplo, os dados das Secretarias estaduais e Fundações públicas estão zerados em relação às contas públicas do ano de 2017 e não aparecem as contas das Secretarias de Estado da Saúde, do Esporte e Lazer e a de Juventude.

Já no Portal da Transparência do Governo de Sergipe não há dados de nove das 21 Secretarias de Estado referentes às receitas e despesas do ano de 2017, ferindo frontalmente os princípios de publicidade e da transparência.

O Portal de Transparência do TCE que deveria dar exemplo, está desatualizado e não contém informações à disposição do cidadão que busca conhecer os gastos públicos de governos. Segundo o diretor de Modernização e Tecnologia do TCE, Cláudio Luiz da Silva, os dados contidos no site são referentes ao ano de 2016 e não foram atualizados porque ainda estariam em manutenção.

LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO

“Mas o cidadão tem a Lei de Acesso à Informação, que regulamenta o direito constitucional de acesso às informações públicas. Se o cidadão tiver interesse em saber o que acontece com os gastos públicos dos órgãos, pode requisitar ao Tribunal através de protocolo. Mas até o fim do ano estaremos atualizando nosso portal”, esclarece.

No site do Governo, na “aba” Receita Mensal, as informações de nove Secretarias de Estado estão zeradas ou incompletas. São elas: Secretaria da Saúde; Secretaria do Desenvolvimento Urbano; Secretaria do Governo; Secretaria da Casa Civil; Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Social; Secretaria da Comunicação Social; Secretaria dos Direitos Humanos e da Cidadania; Secretaria do Esporte e do Lazer; e Secretaria do Turismo.

AS DESCULPAS

Diretor da CGE, Roberto da Costa. “É preciso melhorar”.

O diretor de Gestão Estratégica da Controladoria Geral do Estado, Roberto da Costa Santos, explicou o caso específico da Secretaria de Estado da Saúde. De acordo com a CGE, os recursos repassados pelo Governo Federal vão diretamente para a Fundação Estadual da Saúde (Funesa) e não passam para a secretaria.

“Essas informações vão para o item da Fundação da saúde, que a entidade que reúne o controle e transparência do setor público. No portal também não encontramos dados de algumas empresas, a exemplo da Deso e do Banese. Estamos trabalhando junto com a Secretaria de Planejamento para melhorar o portal da transparência do Governo”, informa Roberto.

Procuradora Eleitoral deve oferecer denúncia de “caixa 2” contra Edvaldo Nogueira

Laércio disse que Multiserv não concorre por menor preço.
Mas entrou em Pregão. Ouça o áudio da entrevista

Previous Fantasia de Joanny se transformou em pesadelo
Next Sorria se você é Bahia. Tricolor derrota Timão por 2 x 0