Odonto Fantasy: semana de vistorias após acidente


Parte da estrutura do camarote estava
oxidada e pode ter ocorrido superlotação

Após o acidente que feriu 60 pessoas na tradicional festa a fantasia do Estado, a Defesa Civil municipal, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Sergipe (Crea), o Corpo de Bombeiros e peritos contratados pela organização do evento realizaram uma vistoria na estrutura do camarote na última quarta-feira, 11.

Segundo os órgãos que realizaram a perícia, a área do camarote que desabou foi de aproximadamente 86m² e as pessoas caíram de uma altura de 2 metros. O laudo oficial que irá apontar a causa mais provável para o acidente só será concluído no início de novembro. Dentre as hipóteses, estão superlotação, presença de ferrugem na estrutura, teste de carga mal executado ou instabilidade do terreno.

A pedido do CINFORM, o engenheiro civil Matheus Pizzi Andrade Cruz analisou a foto de uma das estruturas comprometidas e apontou que falta de manutenção e a oxidação foram as causas mais prováveis para a queda da estrutura.

Engenheiro Matheus Pizzi

“É algo que deve ser bem analisado sobre como aconteceu e todos os fatores que influenciaram, que pode ser desde a montagem da estrutura – o que eu acho pouco provável – e a manutenção dessa estrutura. A oxidação é normal, mas é aí que entra a manutenção da estrutura para evitar o seu colapso”, explica Pizzi.

Ainda segundo o engenheiro, a oxidação de uma peça de metal pode gerar um rompimento. “Toda oxidação de metal compromete o diâmetro de seção da estrutura e esse comprometimento se for em um ponto onde há um esforço pode levar ao rompimento”, acrescenta.

Por meio de nota oficial, o Corpo de Bombeiros afirmou que “foram apresentadas as ART’s dos sistemas elétricos, dos testes de carga e da montagem das estruturas, da elaboração e execução do PSCIP, bem como todas as declarações necessárias para aprovação”. No entanto, a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) do estado de conservação ou de manutenção estrutural não é exigida pelo CBM.

Os projetos das estruturas foram montadas pela empresa Proshow Entretenimento e Estrutura e apresentados ao Corpo de Bombeiros no dia 11 de setembro, aprovados no dia 29. Antes da festa à fantasia foram realizadas duas vistorias pela Defesa Civil Municipal para constatar se a estrutura foi montada de acordo com os projetos aprovados. Além disso, a organização do evento contratou um engenheiro para realizar um teste de carga de 500kg por metro quadrado para saber se a estrutura suportaria mais de duas mil pessoas no camarote, inclusive nas piores situações como deslocamento e pulos.

O delegado Gilberto Passos, da Delegacia Especial de Proteção ao Consumidor e Meio Ambiente (Deprocoma), instaurou um inquérito para apurar as causas do acidente que aconteceu na madrugada no dia 8.

Durante o show da cantora baiana Ivete Sangalo, parte da estrutura do camarote administrado pela cervejaria Devassa cedeu ferindo 60 pessoas, incluindo Joanny de Sousa que passou por cirurgia no joelho.

Fantasia de Joanny se transformou em pesadelo

Operação Navalha. Ex-secretário Gilmar
de Melo Mendes condenado a 9 anos de prisão

Previous Confira os destaques do Cinform digital com a repórter Thayná Ferreira.
Next Reforma do Presídio Militar se arrasta na justiça