A praça de alimentação do Mercado


Por que ela tem mais calor que a do shopping?

Não tenha receio. Pode circular pelos corredores com piso de alta resistência em tons de verde, amarelo e cinza e colunas grená sustentando tetos de concreto cru. Há beleza arquitetônica quando não se há predisposição a achar feio o que não é espelho.

O mercado central tem sim uma praça de alimentação e seus vários boxes são um exemplo da tecnologia japonesa de aproveitamento de espaço. A maioria não tem mais que cinco metros quadrados. Mas conseguem ter um cardápio grandioso entre panelas airadas e adesivos recorrentes da Pitú.

As mesas da praça também são coloridas e tem uma toalha de mesa também feita de plástico pra facilitar a limpeza. Não tem moscas incomodando. Não tem mal cheiro. É realmente uma experiência agradável pra quem gosta de gente.

O que predomina por lá dificilmente você encontrará nas praças de shoppings e seus operadores com nomes americanizados e comidas congeladas, salvo raras exceções. Raríssimas. O que a praça de alimentação do mercado oferece é comida regional. Lá não tem Subway, McDonald’s ou Quanta Prima. Lá tem Cantinho da Sandrinha, Recanto Santana, Bar Deus Proverá. E tem o K’Delícia.

Foi nele que paramos pra provar uma bela rabada, que não tem no shopping. Pote de farinha na mão recém chegada de Itabaiana, feijão de Seu Antonio, a rabada ali do mercado das carnes. Quando chega à mesa, você sente: não tem sofisticação, mas foi feito hoje.

A rabada acompanha aquele bom e velho macarrão de caminhoneiro, quiabada, um arroz soltinho, feijão em caldo (pode optar por tropeiro) e salada vinagrete. Come um cabra forte só, ou uma dupla mais calminha de apetite. E cê paga 14 reais.

“Ah, mas pra estacionar é ruim!”. Beleza. No shopping Riomar até que é bom agora com aquele prédio. Mas no Jardins, cê cozinha até chegar no portal do ar-condicionado. E não tem canto bom pra estacionar mais não. E nos dois cê paga um realzinho pra estacionar. Ou pro condomínio ou pro flanelinha. Então empatou.

Na praça que fica do lado do Paredão do mercado de peixes, tem o Restaurante Santa Maria. O cardápio dele também chama a atenção pela variedade: Tinha peixe, carneiro, bisteca, rabada também, fígado, boi cozido, bife, galinha de postura, sarapatel, frango assado. Tinha suco de laranja, mangaba, jenipapo. Tinha caldinho de mocotó (fiquei forte), sururu e feijão.

 

SERVIÇO
Onde: Mercado Albano Franco, Centro.
Preço: R$ 14, a rabada
Coisa boa: as coisas simples da vida
Uma coisa excelente: o Paraguaizinho em cima do
Coisa ruim: o banheiro é longe
Como pagar: dinheiro e – raramente – cartões
Estacionamento: tem perto, e tem longe.
Funcionamento: terça à domingo, café da manhã e almoço

 

Previous CINFORMANDO – Povo de Laranjeiras  paga por quase duas décadas sem decisão tomada
Next Enchefs-se 2017 agita cena gastronômica com concurso e aulas shows