Michel Temer mantém auxílio reclusão para as famílias de presidiários


O benefício previdenciário será mantido para dependentes de segurado de baixa renda preso.

O auxílio-reclusão, benefício concedido às famílias de presidiários que contribuem para o INSS, será mantido pelo presidente Michel Temer, que recuou da proposta após ser convencido pelo ministro Eliseu Padilha (Casa Civil e pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia. A justificativa é de que o corte no benefício poderia gerar rebeliões nos presídios.

Quem primeiro defendeu o corte no benefício foi a equipe econômica, porque geraria uma economia de R$ 600 milhões em 2018, segundo dados do Ministério da Fazenda.  “Não havia sentido manter o benefício diante da atual situação fiscal do País”, asseverou um ministro, que reconhece ter perdido a queda de braço para Padilha e Maia.

REQUISITOS

Para ter direito ao benefício, é necessário que o detento ou preso seja segurado da Previdência Social e que o último salário recebido por ele seja inferior ou igual a R$1.089,72 (um mil e oitenta e nove reais e setenta e dois centavos).

 

Esse valor foi atualizado pela Portaria nº 13, de 09 de janeiro de 2015. Caso ultrapasse esse teto, o segurado não terá direito ao auxílio-reclusão. O benefício é exclusivo para segurados de baixa renda.

Mais notícias

Câmara dos Deputados arquiva denúncia contra Michel Temer por corrupção passiva

 

Previous Câmera flagra assaltantes de veículos no bairro Salgado Filho, em Aracaju. Você reconhece um deles?
Next CINFORMANDO – Ponta do iceberg