Preferido de 11 entre 10


Arquivo/Seed

A coluna gosta de ouvir as opiniões. Essa foi semana passada, quando ouvimos de um prefeito e seu vice, no interior sergipano – pediram resguardo nos nomes – uma declaração forte: o nome governista para concorrer em 2018 é Belivaldo Chagas.
Mas nem outros podem vir a pleitear a vaga? Os dois, em uníssono, dizem que podem. Que Jackson Barreto pode escolher outro, mas que, para eles, por preferência, afinidade, gratidão e por competência, o nome escolhido deve ser o de Belivaldo – lembre-se que essa é a opinião de duas figuras da política.
A coluna foi garimpar o que de tão especial o “Galeguinho”, como é chamado, tem. E não foi difícil encontrar: vice-governador pela segunda vez – já o havia sido com Déda – Belivaldo é aquele cabra que conversa com todo mundo, não tem dificuldade em dizer não, se for necessário, mas se abre em sorrisos s e puder dizer sim.
Em exercício no comando do Estado – algo que também tem sido recorrente -, Belivaldo não brilha demais, a ponto de ofuscar o titular. Mas deixa sua marca. E se as pesquisas não lhe são favoráveis, ele tem a seu favor o tempo para mudar isso. No que depende do prefeito e do vice ouvidos, Belivaldo, portanto, “é o cara!”.

ACCINFORMANDO1788_Reprodução
E todo mundo fala bem do Galeguinho Belivaldo, né não?
(Foto: SEED)

Os “aldos”
Mas aí a coluna quis saber: seria Belivaldo uma versão ao governo de Edvaldo Nogueira, PCdoB? O prefeito e o vice, na lata, garantiram que não. “Belivaldo é bem mais acessível”.

Os “aldos” 2
Diante de tantos problemas que Aracaju enfrenta, Edvaldo vive momento bem mais difícil que Belivado. Isso talvez explique, mas não justifica a tal inacessibilidade.

Link
Em férias, mas conectado, JB receberá esta nova versão do Cinform automaticamente, uma vez que o secretário de Comuni cação, Sales Netos, fará as honras da casa e enviará.

Construindo o futuro
O secretário de Infraestrutura, Valmor Barbosa, é discreto, na dele. Mas anda intensificando aparições na mídia nos últimos tempos. Virá candidatura por aí em 18?

Velocidade
Caso a coluna esteja cometendo uma injustiça, corrijam. Mas só mesmo o vereador Elber Batalha, PSB, se manifestou, positivamente, por sinal, sobre a digitalização do Cinform…

“Estranha-me o fato de Jackson Barreto pensar que quem for candidato da oposição terá que ser bancado por alguém. Tanto no governo, como na oposição, as regras serão muito claras: como o financiamento privado está proibido, e as doações de pessoas físicas não serão feitas em grandes volumes, resta a distribuição do Fundo Partidário”, do senador Valadares, PSB, sobre declaração de Jackson Barreto de que os opositores ao seu governo, nas próximas eleições, precisarão de dinheiro privado para fazer campanha

Jogo limpo
Legal saber que a limpeza pública em São Cristóvão tem sido feita e, melhor ainda, com economia mensal antes inimaginável. Ponto para Marcos Santana, PMDB, e equipe.

É de Sergipe!
A chegada de Eduardo Amorim, PSDB, para comandar bloco de seu partido mais o DEM no Senado é prova de que parlamentares sergipanos sempre se destacam.

Tem que ver
Emerson Ferreira, Rede, aparecer em consultas e pesquisas é interessante, sim. Mas seria melhor ainda se a própria Rede se destacasse, pois política séria só com partidos fortes.

No corre
José Carlos Machado leva bastante a sério o intento de voltar a um mandato em 18. Ele já é, disparado, líder em visitas pelo Estado adentro, cidade a cidade.

Fechando
A coluna termina, nesta edição, o Fechando, que ficou cerca de dois anos encerrando o nosso papo semanal. Afinal, em breve, a coluna será diária. Aí não tem por quê fechar, né não?

Previous Mídia digital e internet: um caminho sem volta!
Next Gangue que sequestrou país anula lei Áurea e institui semiescravidão