Inscrições para a edição do Selo Unicef se encerram em 31 de julho


Reprodução: Pixabay

Coordenadora do Unicef esteve em Aracaju para o lançamento 

Na manhã desta quinta-feira (27), ocorreu no Palácio Governador Augusto Franco, o lançamento do programa Selo Unicef – Edição 2017- 2020. O projeto, que recebeu o apoio do governo estadual, é desenvolvido pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e pretende incentivar as gestões municipais a elaborarem políticas públicas destinadas a assegurar os direitos das crianças e adolescentes.

A ideia do Selo Unicef é reconhecer e certificar os municípios que aceitam participar do plano e conseguem atingir metas estabelecidas previamente pela organização em questões estratégicas como educação, saúde, assistência social e combate ao trabalho infantil.

49 cidades do interior sergipano poderão aderir à iniciativa:  Amparo de São Francisco, Aquidabã, Areia Branca, Brejo Grande, Campo do Brito, Canhoba, Canindé, Capela, Carira, Cedro de São João, Cumbe, Feira Nova, Frei Paulo, Gararu, Gracho Cardoso, Ilha das Flores, Itabaiana, Itabaianinha, Itabi, Japoatã, Lagarto, Macambira, Malhada dos Bois, Malhador, Moita Bonita, Monte Alegre, Muribeca, Neópolis, Nossa Senhora Aparecida, Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora das Dores, Nossa Senhora de Lourdes, Pacatuba, Pedra Mole, Pinhão, Poço Redondo, Poço Verde, Porto da Folha, Propriá, Riachão do Dantas, Ribeirópolis, Santana do São Francisco, São Domingos, São Francisco, São Miguel do Aleixo, Simão Dias, Telha, Tobias Barreto e Tomar do Geru.

BAIXA QUANTIDADE

Na edição anterior, entre 2013 e 2016, dos 36 municípios sergipanos cadastrados, apenas oito obtiveram a certificação de avanço nas políticas para o público infanto-juvenil. Foram eles: Propriá, Aquidabã, Lagarto, Frei Paulo, Ribeirópolis, Simão Dias, Itabaianinha e Itabaiana.

Coordenadora Helena Oliveira quer a participação de mais municípios no programa (Foto: Cinform)

O desejo de Helena Oliveira, coordenadora do Unicef para Bahia, Sergipe e Minas Gerais é que desta vez o número de cadastrados e de certificados seja muito maior. “Inicialmente, os prefeitos apresentam receio quanto aos custos de adesão ao programa e se ela pode acabar sendo desvantajosa, porém, depois de suas equipes se engajarem na causa, notam que além das crianças todo a cidade ganha com o aprendizado adquirido por meio da parceria”, relata.

A coordenadora explicou também como ocorre a avaliação das ações da administração pública pelo Unicef. “Existem, basicamente, dois critérios usados na medição dos trabalhos. O primeiro é o monitoramento dos indicadores sociais que vão da saúde à proteção de direitos, e o segundo é o acompanhamento da promoção de ações estratégicas que podem incidir na alteração dos índices”.

Para participar da edição 2017-2020, os prefeitos interessados em incluir seus municípios no Selo Unicef terão até 31 de julho para assinarem um termo de adesão junto à organização.

 

 

 

Previous O SHAZAM DA COMIDA
Next Segunda temporada do Dancing Brasil já está no ar